Sim, por favor
Não, obrigado

Sociedade Orgânica

donate Books CDs HOME updates search contact

O Burguês nas cidades e reinos livres

Plinio Corrêa de Oliveira

A dignidade do burguês está na segurança, e seu objetivo não é brilhar como um nobre em toda a sociedade ou no governo do Estado, mas sim se destacar em círculos locais menores.

Nos círculos eruditos, quando se fala da burguesia no Ancien Regime, (antes da Revolução Francesa), os dados que apresentam são insuficientes. Geralmente, eles começam comparando a burguesia daquele período com a aristocracia, descrevendo contrastes entre as duas classes. Tal apresentação deixa na boca o gosto ruim da luta de classes marxista. Essa história tendenciosa não oferece uma exposição justa da forma como a sociedade era organizada naquela época.

Certamente se pode comparar as turmas da segunda etapa de um estudo, mas primeiro deve-se perguntar: Qual o papel que cada uma desempenha na sociedade e no Estado? Tentaremos responder a esta pergunta no que diz respeito à burguesia. Começo por distinguir entre duas burguesias diferentes, ou duas situações diferentes da burguesia.

A burguesia nas cidades autônomas

Num caso, a burguesia era a primeira classe da sociedade, quando era a classe governante das cidades livres - às vezes cidades livres soberanas - ou quando governava grupos locais que gozavam de uma forte autonomia em relação ao Estado. A burguesia apareceria como uma classe eminente em tais lugares, embora mantivesse suas características burguesas.

Antwerp harbor

Antuérpia era um centro de comércio intenso
Encontramos isso, por exemplo, em duas cidades medievais de Flandres: Bruges e Antuérpia. Essas cidades foram portos importantes com movimentos intensos de comércio que geraram uma grande riqueza. Bruges ficava no território do Condado de Flandres e Antuérpia parte do Ducado de Brabante. Alguns nobres dessas casas eram provavelmente muito menos prósperos do que as principais famílias burguesas dessas cidades.

No entanto, o nobre era superior ao burguês. Por quê? O burguês era maior em alguns aspectos e menor em outros? Ele era considerado mais importante do que o nobre? Em que circunstâncias e por quê? Essas questões em si revelam diferentes aspectos da questão que devemos levar em consideração para analisar a burguesia.

É curioso notar que a burguesia como primeira classe da sociedade se desenvolveu principalmente no Reinado de Lothar (795-855), o neto de Carlos Magno, cujos domínios se estendiam da Holanda à Itália, até o Reino das Duas Sicílias (Nápoles). Não sei por que, mas o Reino de Lothar produziu inúmeras pequenas cidades autônomas. Encontramos muito menos dessas cidades livres na Espanha e em Portugal - onde, aliás, as cidades tinham muitos privilégios, mas não eram autônomas - e algumas delas na França, mas não duraram muito ali. A Alemanha também tinha muitas dessas cidades, especialmente na Francônia e na Suábia, mas elas se originaram de uma maneira diferente, em uma época em que a Alemanha estava gerando pequenas unidades políticas independentes.

A burguesia nos Reinos

O segundo caso é uma burguesia situada dentro de um Estado ou Reino homogêneo, e não uma cidade autônoma. Aqui, a burguesia constituía parte de um conjunto no qual desempenhava um papel mediador específico, tendo outras classes acima, abaixo e no mesmo nível.

Merchands of Paris

Em um Reino, o burguês tinha que respeitar a hierarquia social estabelecida
Quais eram as características de um burguês em uma cidade como Paris?Podemos dizer que, excluindo as profissões que competiam com o Clero (como o magistério) e as que competiam com a nobreza (governo do Estado e funções militares), as demais profissões eram compostas por trabalhadores manuais. Todas essas profissões extremamente diversificadas formaram a burguesia. Havia trabalhadores manuais e artesãos de vários tipos.

Aqueles que não eram trabalhadores manuais ocupavam cargos no governo municipal, por exemplo, os juízes, magistrados públicos e contadores. Outros, ainda, exerceram funções públicas, como notários, cobradores de impostos e policiais locais. Alguns exerciam influência pública como professores ou artistas, e os comerciantes também alcançariam certo grau de prestígio e influência social.

Vemos que o que distinguia o burguês do nobre não era principalmente a função que ele exercia na sociedade, mas seu espírito e a maneira como o fazia. A função poderia desempenhar um papel na geração da mentalidade nobre, mas o que caracterizava o nobre era a posse de um certo estado de espírito.

Dedicação e risco, características dos nobres

De um modo geral, quem foi nobre na Europa? Nobres eram aqueles homens que compartilhavam a terra com o Rei. Eles viviam como donos daquela terra e a governavam como barão, visconde, conde, etc. Também tinham a obrigação de defendê-la, assim como as demais terras do Rei com seu próprio sangue contra qualquer adversário.

Essas obrigações pressupunham que o nobre teria gosto pelo heroísmo, pela aventura e pela condição militar, o que moldaria seu espírito de maneira especial. Este espírito superior o levaria a estar voltado para a dedicação, preparado para a aventura, em busca da excelência e da magnificência e aberto ao sublime. Um homem criado neste ambiente consideraria muito valioso dar sua vida para cumprir seu dever e ganhar glória para Deus e seu nome. Para ele, tamanha glória era uma vantagem pela qual valeria a pena morrer. Claro, essa noção de glória não pode ser entendida a menos que se tenha a crença Católica no Céu.

Para esses nobres, o prazer da vida não era luxo, mas ficar à beira do perigo e da aventura e deleitar-se com a beleza da dedicação total à defesa da honra de seu nome ou de seu Rei, ou alguma outra causa superior.

Battle of Bosworth

O prazer de enfrentar riscos a serviço de sua Fé e Rei era uma característica do nobre
Essas qualidades dariam um caráter esplendoroso, quase mítico, ao governo e comando de um nobre.

Esta constante dedicação a uma causa superior conferia aos nobres tanto um direito como uma necessidade: o direito e a necessidade de viver de forma esplêndida, correspondendo a essa gloriosa generosidade. Por isso, o nobre tinha uma maneira diferente de se vestir. Para um nobre vestir-se como um burguês era o mesmo que um padre vestir-se como um leigo. A vestimenta do padre era um reflexo de sua dedicação religiosa - os votos que ele fez para servir a Fé, para ganhar o Céu, para dar testemunho da natureza transitória dos bens desta terra, etc. Analogamente, o vestir do nobre deve ser esplêndido.

Ele deveria ter modos refinados, usar uma linguagem distinta, ter um decoro magnífico. A excelência em torno do nobre deve ser uma expressão daquele sentido fundamental de sacrifício que sua vida representou. Ele era um homem rodeado de glória em constante prontidão para o martírio. Não o martírio dos primeiros Católicos na arena, mas o martírio do Cruzado que morreu destruindo os inimigos de nossa Fé.

Na Revolução Francesa, os nobres ainda tinham o heroísmo de morrer, mas não de morrer matando o inimigo. Eles foram para a morte sem lutar. Esta foi uma grande decadência. Muitos tiveram mortes muito bonitas, mas não estavam mais dispostos a batalhar contra aqueles revolucionários. Era legítimo para os nobres deixar a França e buscar refúgio na Bélgica e em outros países vizinhos, mas não era muito diferente de uma fuga.

Portanto, a essência do espírito nobre é o espírito de risco e militância.

O burguês não tem esse espírito

Ninguém pode negar que o risco de perder dinheiro não tem a mesma excelência que o risco de perder a vida. Assumir um risco financeiro pode exigir ousadia, mas não virtude ou heroísmo. A coragem só é louvável quando uma pessoa faz algo indispensável por uma causa superior. Ninguém tem o direito de se arriscar sem um bom motivo.

Em relação ao dinheiro, normalmente não há razão para correr grandes riscos. Quando um homem tem a obrigação de garantir a continuidade de uma família ou de um negócio, o risco não é um direito, mas algo a ser evitado. O burguês típico busca a estabilidade e a segurança necessária para alcançá-la. Então, uma vez que o atinge, ele busca o conforto material.

O espírito de um burguês, portanto, é essencialmente diferente do de um nobre. É esse espírito - mais do que uma função na sociedade - que deve ser estudado quando se fala à burguesia.

Postado em 1 de fevereiro de 2021

Tradition in Action

Dr. Plinio Correa de Oliveira
Prof. Plinio
Sociedade Orgânica foi um tema caro ao falecido Prof. Plinio Corrêa de Oliveira. Ele abordou este tema em inúmeras ocasiões durante a sua vida - às vezes em palestras para a formação de seus discípulos, às vezes em reuniões com amigos que se reuniram para estudar os aspectos sociais e história da cristandade, às vezes apenas de passagem.

Atila S. Guimarães selecionou trechos dessas palestras e conversas a partir das transcrições das fitas e de suas anotações pessoais. Ele traduziu e adaptou-os em artigos para o site da TIA. Nestes textos, a fidelidade às ideias e palavras originais é mantida o máximo possível.

burbtn.gif - 43 Bytes


Tópicos relacionados de interesse


burbtn.gif - 43 Bytes   O surgimento saudável da Burguesia

burbtn.gif - 43 Bytes   Todas as Classes devem ter Elites

burbtn.gif - 43 Bytes   A Cidade e sua Nobreza

burbtn.gif - 43 Bytes   Um Élan de Perfeição Deve Existir em Todas as Classes

burbtn.gif - 43 Bytes   Como o homem deve agir sobre o seu ambiente natural

burbtn.gif - 43 Bytes   Tradição, Estagnação e Progresso

burbtn.gif - 43 Bytes   Declínio Natural e Antinatural do Clã

burbtn.gif - 43 Bytes   Os verdadeiros amigos do povo são Tradicionalistas

burbtn.gif - 43 Bytes   Revolução e Contra-Revolução – Visão Geral


burbtn.gif - 43 Bytes


Trabalhos relacionados de interesse



C_RCR_B.gif - 5427 Bytes
C_Miserablist_R.gif - 4832 Bytes

C_RCRTen_B.gif - 6810 Bytes




Sociedade Orgânica  |  Sócio-política  |  Início  |  Livros  |  CDs  |  Procurar  |  Contacte-nos  |  Doar

Tradition in Action
© 2018-    Tradition in Action do Brasil   Todos os Direitos Reservados