Sim, por favor
Não, obrigado

Teologia da História

donate Books CDs HOME updates search contact

Revolução e Contra-Revolução
– Visão Geral –


Atila Sinke Guimarães

É minha opinião que o movimento tradicionalista nos Estados Unidos está evoluindo para uma compreensão mais profunda do mal que está enfrentando. Também está percebendo sua própria força e suas possibilidades de parar a marcha do Progressismo na Igreja Católica. Essa compreensão mais profunda exige uma explicação consistente do fenômeno que causou a crise atual na Igreja Católica e na Cristandade.

Revolução e Contra-Revolução são termos que estão sendo adotados por conservadores e tradicionalistas para descrever esse fenômeno. Embora muitas vezes a palavra Revolução seja usada corretamente, as aplicações podem não ter a extensão completa que o termo implica. Deixe-me dar alguns exemplos.

Diferentes usos da palavra Revolução

Algumas pessoas, e eu me incluo entre elas, sugeriram o termo Revolução para descrever a subversão do Concílio Vaticano II causada na ordem e estabilidade anteriores da Igreja Católica. A expressão “revolução” em relação ao Concílio foi utilizada no mesmo sentido, mesmo pelos líderes do Progressismo, como o Cardeal Congar e o Cardeal Suenens (1). Portanto, é apropriado empregar a palavra revolução nas reformas pós-Conciliares. Mas nesta aplicação, ainda restam algumas perguntas a serem respondidas:
• Se o Vaticano II é a revolução, o que é a contra-revolução? É o Tradicionalismo? É a tendência conservadora entre os Católicos?
• Quem pode dizer que ele ou ela é realmente um contra-revolucionário?
• O que preparou o caminho para o Vaticano II? Foi uma corrente, um movimento articulado?
• Se havia, de fato, algo antes do Vaticano II, o termo Revolução também pode se referir a isso?
Vê-se que essa primeira aplicação de Revolução e Contra-Revolução abre as portas para uma perspectiva histórica que convida à investigação.

1. Veja meu Animus Delendi I (Los Angeles: TIA, 2000), p. 54, note 14.

World Youth Day Mass

Missas como a que acima de cada JMJ são revolucionárias - O fermento, 23 de agosto de 2002
Outras pessoas propuseram uma compreensão mais restrita desses conceitos. Por exemplo, eles usam a Revolução e a Contra-Revolução para expressar exclusivamente a luta contra a Nova Missa que tomou o lugar da Missa Tridentina como o principal ato de adoração a Deus. Nesse caso, a Revolução seria a instalação da Nova Missa na Reforma Litúrgica de Paulo VI, e a Contra-Revolução seria lutar pela restauração da Missa Tridentina. Ponto. Nada mais seria necessário, nem mesmo uma análise da Reforma Litúrgica na qual a Nova Missa está incluída, ou do Concílio que a gerou.

Embora eu concorde que essa aplicação seja legítima, ela é defeituosa por sua simplificação. Insinua que isso explica toda a revolução dentro da Igreja, quando isso não é verdade. Na verdade, a Nova Missa é uma faceta importante da “revolução conciliar,” mas ninguém com uma visão mais ampla, mesmo entre os progressistas, definiria todo o cenário como a luta entre a Missa Tridentina versus a Nova Missa.

Outros propuseram diferentes interpretações do termo revolução que misturam muitos conceitos.

Por um lado, a revolução é entendida como uma mistura confusa da revolução cultural dos anos 60, juntamente com as características do Americanismo. Os tradicionalistas que usam o termo como tal entendem o Americanismo como a maneira casual de ser do final dos anos 40 e 50 nos Estados Unidos, que produziu uma grande mudança - uma revolução - nos costumes tradicionais do homem Ocidental. Algumas das avenidas que espalharam essa revolução cultural foram Hollywood e a mídia, que difundiram itens Americanos em massa, como luzes de neon, plástico, jeans, rock'n'roll e Coca-Cola.

Por outro lado, alguns escritores identificam a Revolução com certas questões morais, como a promoção internacional do aborto e do controle da natalidade por certas instituições financeiras baseadas nos EUA. No entendimento da Revolução, eles também incluem a promoção de costumes degenerados e o amor livre por parte de filmes Americanos e a televisão.

Para tornar o quadro ainda mais caótico, em várias dessas aceitações, o Americanismo é confundido erroneamente com a heresia do Americanismo condenado pelo papa Leão XIII, que na verdade tem um significado completamente diferente.

Aqui não pretendo passar por todas as interpretações incompletas ou erradas sugeridas para explicar a Revolução e a Contra-Revolução nos meios conservadores e tradicionalistas dos Estados Unidos. A própria tentativa de adotar tais termos, na minha opinião, é algo positivo. Parece indicar que os movimentos conservadores e tradicionalistas estão começando a buscar raízes históricas e filosóficas mais profundas para explicar sua luta pela causa Católica. Essa aspiração muito compreensível revela saúde e consistência. Como as mentes parecem maduras para assimilar uma noção mais completa desses conceitos, deixe-me tentar ajudá-las e explicar o significado completo de Revolução e Contra-Revolução, segundo autores Católicos sérios e renomados.

Revolução, um conceito que vem do século 19

A noção de Revolução como um fenômeno centenário, que é o que vou expor, foi definida pelos Católicos Europeus do século 19 que participaram do glorioso movimento "ultramontano." Qual foi o movimento ultramontano, que literalmente significa, além das montanhas? Os Católicos da França assumiram uma posição muito boa contra o Galicanismo, um mau movimento nacionalista que queria separar a Igreja Católica Francesa da autoridade Papal. Os Católicos fiéis ao Papa e a Roma, que em relação à França ficavam além dos Alpes, adotaram o nome de ultramontano.

O movimento ultramontano se estendeu por toda a Europa. Seu primeiro objetivo era combater o liberalismo dentro da Igreja Católica. O liberalismo era o filho do Iluminismo e da Revolução Francesa, e a expressão mais moderna da Revolução na época. Para indicar apenas alguns dos mais ilustres Católicos que falaram sobre a Revolução e lutaram contra ela, posso citar Donoso Cortes na Espanha, Pe. Taparelli d'Azeglio na Itália, Cardeal Manning na Inglaterra, Bispo von Ketteler na Alemanha, Bispo Rauscher na Áustria e na França, Joseph de Maistre, Dom Guéranger e Louis Veuillot.

Um tratado fundamental sobre a Revolução foi publicado em 1910 pelo autor Francês Mons. Henri Delassus, intitulado La conjuration antichrétienne [A Conjuração Anticristã]. Uma importante síntese da Revolução foi publicada em 1955 pelo professor Brasileiro Plinio Corrêa de Oliveira, que enriqueceu a noção com alguns itens novos importantes e a aplicou em nossos dias. Seu trabalho é intitulado Revolução e Contra-Revolução.

Portanto, o conceito de Revolução não depende da opinião desta ou daquela pessoa ou movimento atual. Já foi definido. Deixe-me continuar a explicar.

A essência da Revolução é subverter o Reino de Cristo

A Cathedral under construction

O homem medieval concebeu a sociedade como a construção da Jerusalém terrestre, feita à semelhança do Céu
A palavra Revolução significa primeiro, virar de cabeça para baixo algo que está em ordem e, em segundo lugar, estabelecer em seu lugar outra realidade que é o oposto, que é desordem.

O que essa Revolução procurou subverter? Foi o Reino de Cristo, a Cristandade, que foi estabelecido na Europa Ocidental na Idade Média.

As verdades do Apocalipse podem fazer mais do que apenas organizar a Igreja Católica e fornecer orientação para as almas alcançarem o Céu. Quando a Igreja exerce grande influência em uma época, essas verdades Católicas ultrapassam os limites da esfera eclesiástica e naturalmente se estendem à esfera temporal. Essa influência tende a formar uma ordem social e política Católica nos países em que é sentida. Quando temos um conjunto de Estados Católicos que aspiram a uma unidade superior para reuni-los e expressar seu espírito, eles estão buscando uma Cristandade. Esta palavra é normalmente entendida como o reino temporal de Nosso Senhor na Terra.

Na História, houve várias tentativas de estabelecer a Cristandade, mas apenas uma conseguiu e formou um reflexo adequado de Jesus Cristo na esfera temporal. Isso ocorreu com o conjunto de Estados que formaram a Europa Ocidental nos séculos 12 e 13. Esse conjunto formou a Cristandade Medieval ou simplesmente a Cristandade. A ordem que se estabeleceu representou efetivamente o estabelecimento do Reino de Cristo na terra.

Referindo-se à Cristandade Medieval, São Pio X afirmou:
“A Civilização não mais está para ser inventada, nem a cidade Nova para ser construída nas nuvens. Ela existiu, ela existe; é a Civilização Cristã, é a Cidade Católica. Trata-se apenas de instaurá-la e restaurá-la sem cessar sobre seus fundamentos naturais e divinos contra os ataques sempre renascentes da utopia malsã, da revolta e da impiedade: omnia instaurare in Christo [para restaurar tudo em Cristo]” (Notre Charge Apostolique, n. 11).
Cloister of Mont St. Michel

O claustro da Abadia do Monte São Miguel reflete a harmonia medieval entre religião e vida civil
O Papa Leão XIII escreveu estas palavras sobre a Idade Média:
“Tempo houve em que a filosofia do Evangelho governava os Estados. Nessa época, a influência da sabedoria Cristã e a sua virtude divina penetravam as leis, as instituições, os costumes dos povos, todas as categorias e todas as relações da sociedade civil. Então a religião instituída por Jesus Cristo, solidamente estabelecida no grau de dignidade que lhe é devido, em toda parte era florescente, graças ao favor dos príncipes e à proteção legítima dos magistrados. Então o sacerdócio e o império estavam ligados em si por uma feliz concórdia e pela permuta amistosa de bons ofícios. Organizada assim, a sociedade civil deu frutos superiores a toda expectativa, frutos cuja memória subsiste e subsistirá, consignada como está em inúmeros documentos que artifício algum dos adversários poderá corromper ou obscurecer” (Immortale Dei, n. 28).
O estabelecimento da Cristandade medieval representou a instalação do Reino de Cristo na esfera temporal e, com isso, o fim da hegemonia do Demônio.

De fato, após seu pecado, Adão perdeu o reino que Deus havia planejado para ele implantar na terra. O reino que ele perdeu foi tomado por quem derrotou Adão, o Demônio, que com o pecado de Adão adquiriu um poder enorme sobre a natureza e a sociedade humana. Por esse motivo, podemos encontrar nos grandes impérios da Antiguidade, como os da Assíria, Egito, Grécia e Roma, a notável influência do Demônio na idolatria da maioria das religiões antigas. As escrituras afirmam que todos os deuses dessas religiões eram demônios: “Omnes dii gentium sunt daemonia” (Salmo 95:5).

A Redenção de Nosso Senhor reparou o pecado de Adão. Após a Morte e Ressurreição de Jesus Cristo, os homens foram capazes de entrar no Céu e ver Deus face a face. A genuinidade da Igreja iniciou a Nova Aliança. Mas a esfera temporal permaneceu sob o poder do Demônio. Isso explica em parte o furor do Império Romano contra a Igreja recém-nascida.

A partir do século 5, com a conversão dos bárbaros, muitos Estados se tornaram Católicos, a sementeira do que se tornaria a Cristandade Medieval nos séculos 12 e 13. A Cristandade representou pela primeira vez na História a vitória de Nosso Senhor sobre um conjunto de Estados da Europa. Portanto, como Nosso Senhor venceu nas esferas religiosa e temporal, o estabelecimento da Cristandade medieval representou a completa reconquista de Jesus Cristo sobre o Demônio após o pecado original de Adão.

As principais características da Cristandade Medieval eram humildade e temperança. A humildade, como virtude social, significa amar o lugar da pessoa na hierarquia da sociedade e venerar o conjunto da hierarquia social e política como um reflexo de Deus. A temperança na esfera social significa submissão e respeito às regras da sociedade, sejam elas regras morais ou normas disciplinares, que agem como meios apropriados para levar o corpo social a construir o Reino de Cristo. Em outro estudo, planejo lidar com a maneira como essas duas virtudes sociais da humildade e temperança realmente moldaram a Cristandade e como o magnífico edifício social resultante foi um digno reflexo de Deus.

O mal foi derrotado, mas não por muito tempo. O Demônio e seus sequazes planejaram destruir a Cristandade medieval e estabelecer exatamente o oposto na terra. Este objetivo constitui a essência da Revolução. Na medida em que se pode dizer que a Cristandade Medieval representa o estabelecimento da ordem por excelência, a Revolução significa a inversão dessa ordem. Este é o significado mais profundo da Revolução.

Outras características da Revolução

Os agentes da Revolução são genericamente as forças que servem o Demônio, com ênfase particular em dois deles que têm um ódio especial pela Igreja: o Judaísmo, entendido como religião e não como raça, e a Maçonaria.

hidden venemous snake

Como a cobra grande e venenosa, acima, a ação das forças secretas é camuflada em toda parte da sociedade. Os ingênuos não veem o perigo e não acreditam em uma conspiração contra a Cristandade.  National Geographic, agosto de 2004
Em relação aos indivíduos, esses agentes não apenas conspiram e agem externamente, mas também internamente. Em seu plano de destruir a ordem Católica, utilizam como aliados naturais as más tendências não-governadas da alma humana. As forças secretas estimulam os vícios humanos para exacerbá-los e também atingir os objetivos revolucionários. As principais forças de propulsão da Revolução dentro da alma são as tendências não-governadas de orgulho e sensualidade.

Orgulho é o vício que se opõe à humildade. Na esfera social, o orgulho é a revolta contra a hierarquia. É revoltar-se contra o lugar da pessoa na sociedade, não aceitar um superior sobre si mesmo. Mais do que isso, é atingir uma espécie de grau metafísico de ódio, afirmando que superioridade e hierarquia per se são ruins. Tudo deve ser igual. O igualitarismo é estabelecido como um princípio metafísico.

Sensualidade é o vício que se opõe à temperança. Seu reflexo social é contrariar as regras que governam a sociedade - regras morais ou normas disciplinares. Aqui também existem duas camadas: na primeira camada, a pessoa odeia o jugo das regras porque não pode fazer as coisas ruins que deseja; na segunda camada mais profunda, ele vai além de um nível metafísico de ódio e nega qualquer regra. Tudo deve ser gratuito. A liberdade é proclamada como um valor absoluto.

Quando alguém atinge um desses dois níveis metafísicos de ódio, ou ambos, pode-se dizer que ele cometeu o pecado da Revolução. Ou seja, ele cometeu um pecado específico contra o Reino de Cristo na terra e, consciente ou inconscientemente, tornou-se um agente ativo da Revolução. Isso é verdade independentemente de uma pessoa ser ou não Judeu, Maçom ou membro de outras forças secretas semelhantes.

A Revolução atua em três níveis diferentes de atividades humanas. Ela tenta intensivamente modelar as tendências da alma humana, depois as ideias da mente humana e, finalmente, os atos do comportamento humano. Normalmente, em uma alma bem ordenada, as ações que um homem realiza são uma tradução das ideias que ele tem; e suas ideias nasceram das tendências que ele permitiu criar raízes dentro de sua alma.

Por exemplo: Mesmo antes de um homem do Renascimento começar a viver com as artes, os prazeres e o luxo como centro de sua vida, ele aderiu às ideias do humanismo, que coloca o homem no centro de tudo. E antes de aceitar essas ideias, ele se cansou de sempre considerar Deus como o centro de sua atenção e o objeto de todas as glórias do homem. Esse tédio com o senhorio de Deus e o correspondente tédio em observar Sua lei austera foram tendências promovidas pela Revolução na alma do homem medieval a pavimentar o caminho para as ideias do humanismo e a instalação de um novo modo de vida: o Renascimento. Com isso, temos um exemplo de como as tendências produzem as ideias e como os atos humanos procedem dessas ideias.

Esse processo de tendências, ideias, atos no homem, traduz-se para a sociedade as tendências que começam a aparecer nos costumes, as ideias que começam a circular e, finalmente, os fatos que delas resultam: tendências-ideias-fatos.

Este processo também é chamado de processo revolucionário. Começou a ser aplicada assim que a Revolução nasceu na Idade Média. Sua principal característica é que, em cada um de seus ciclos, os fatos - a última fase - abrem as portas para novas tendências ruins que darão origem a novas ideias ruins; daí surgem novos fatos revolucionários e o processo se repete. Os ciclos sucessivos do processo revolucionário produziram certos marcos da Revolução na História. Eles são os seguintes:

O Humanismo no modo de ser do homem e o Renascimento nas artes estabeleceram novos modelos para o homem medieval, que se chocavam com o modelo sacral e hierárquico que ele possuía anteriormente. Com o Humanismo, a Revolução apresentou o homem como a medida de tudo, a fim de romper a estabilidade do modo de pensar anterior do homem, que considerava Deus e a religião Católica como a medida de tudo. Com o Renascimento, as culturas Grega e Romana foram apresentadas como modelos para as artes. O espírito Renascentista exaltou a beleza (pulchrum) em detrimento da moral (bonum) e da verdade (verum), que a partir de então não era mais considerado absoluto, mas relativo. Também a austeridade do homem medieval, caracterizada pelo amor à Cruz, foi quebrada. Foi substituído por um desejo exagerado e busca por prazeres. As disputas literárias abertas sobre filosofia e religião, que sustentaram os filósofos pagãos como paradigmas, ajudaram a pavimentar o caminho para o livre exame Protestante.

Martin Luther

O Protestantismo representou uma nova explosão de orgulho e sensualidade. Acima, Martinho Lutero
O principal fato do Humanismo e do Renascimento - que é a negação da primazia de Deus em toda a vida - abriu a porta à tendência de negar o papel do Papa na Igreja, que se tornou uma ideia. Essa ideia, por sua vez, tornou-se um fato com a Revolução Protestante. Isso trouxe como consequência a fratura da Cristandade e a introdução de um poderoso elemento de destruição. As inevitáveis guerras religiosas do século 16 selariam a divisão da Cristandade.

Quais são os papéis do orgulho e da sensualidade nesse processo? Como uma explosão de orgulho, o Protestantismo nega a hierarquia. Todas as suas seitas negam o Papa; alguns, como os Presbiterianos, também negam os Bispos, e outros, como os Anabatistas, vão além e negam o sacerdócio. Este último representa o igualitarismo mais radical, análogo ao Comunismo que viria mais tarde em outro ciclo. Como uma explosão de sensualidade, o Protestantismo terminou com o celibato do clero e introduziu o divórcio na sociedade, quebrando a unidade da família. O Protestantismo mostrou-se um bajulador dos príncipes, e as seitas Protestantes tornaram-se subordinadas ao Estado. Com isso, a soberania da esfera religiosa foi comprometida.

Beheading of Louis XVI

A decapitação de Luís XVI simbolizava o fim do Ancien Regime na esfera temporal. É análogo à abolição do Papado na esfera espiritual pelas seitas Protestantes
Esses fatos, resultantes das más ideias, estimularam novas más tendências na sociedade. O livre exame que foi aceito na esfera religiosa pelo Protestantismo gerou a exaltação da razão e o livre pensamento do Iluminismo, que abriu o caminho para a Revolução Francesa. A revolta contra o Papa e a hierarquia eclesiástica na esfera religiosa tornaram-se uma revolta contra o Rei e a nobreza na esfera civil. A Revolução Francesa destruiu os restos sociais e políticos do Reino de Cristo na França. E da França, os mesmos princípios se espalham por todo o Ocidente.

A Revolução Francesa marcou o início do mundo moderno, com uma nova concepção de Estado. De acordo com seus princípios revolucionários, não deveria mais haver um Estado Católico voltado para a glória de Deus, mas um Estado interconfessional onde as religiões verdadeiras e falsas deveriam ter os mesmos direitos perante a lei. Também a moral Católica foi abolida. Uma vaga moral, baseada em uma interpretação discutível do Direito Natural, tomou seu lugar. De acordo com esse sistema, uma pessoa deve ser livre para fazer o que quiser com relação à moral, desde que não prejudique ou perturbe mais ninguém. Ou seja, a moral livre foi estabelecida no nível individual. Novamente, temos orgulho e sensualidade como forças propulsoras da Revolução Francesa.

A estrutura hierárquica da Cristandade Medieval era composta por três classes principais: o clero, a nobreza e a classe plebeia. O Protestantismo atacou o Clero como a primeira classe, a Revolução Francesa atacou a nobreza como a segunda classe. A última a ser atacada foi a classe plebeia, que tinha sua própria hierarquia interna e era composta pela burguesia e pelo povo.

Lenin and Trotsky

Lenin e Trotsky, os líderes da Revolução Comunista na Rússia, 1917
O Comunismo foi a ferramenta utilizada pela Revolução para atacar a diferença que existia entre a burguesia e o povo. Ele proclamava que tudo deveria pertencer a todos: não deveria mais haver proprietários e chefes. A ditadura do proletariado foi imposta. O Comunismo também eliminou a moral como algo burguês. Prega abertamente o amor livre. Conhecemos o grande dano que o Comunismo causou na Rússia e nos países da antiga URSS de 1917 a 1989. Não concordo com a fábula que o comunismo morreu. Ele continua no poder como tal - na Rússia e na Ucrânia, por exemplo - ou está disfarçado com novos nomes em vários países da Europa Oriental. Mantém suas roupas e estilos antigos em outros países como China, Vietnã, Coréia do Norte e Cuba. Também está se expandindo para países Católicos, por exemplo, com a recente vitória eleitoral presidencial do comunista Lula no Brasil.

Mesmo nos países onde o Comunismo não exerce controle político direto, suas ideias se infiltraram em todos os lugares, como predito por Nossa Senhora em Fátima. Essas ideias são expressas nas tendências socialistas das democracias Ocidentais, nas quais se pode discernir facilmente a influência dos ideais e objetivos comunistas. Com relação aos empregadores e empregados, proprietários e inquilinos, professores e estudantes, homens e mulheres, e até pais e filhos, a legislação ocidental favorece continuamente o igualitarismo pregado pelo Comunismo.

Esses três golpes contra a Cristandade - Protestantismo, Revolução Francesa e Comunismo - na verdade soletraram sua ruína política. Quase nada resta do Reino de Cristo como era. Mas alguns reflexos sociais desse passado salutar ainda existiam. Eles eram os bons costumes e tradições que eram fruto da excelente influência da Igreja Católica na sociedade. Por exemplo: ainda restavam os hábitos de vestir-se com distinção, conversar e falar com cortesia, e comportar-se de maneira digna.

Revolution May 1968 Sorbonne

Maio de 1968, Paris. As bandeiras negras do Anarquismo carregavam as bandeiras vermelhas do Comunismo. Duas etapas do mesmo processo revolucionário.  ICI, julho de 1968
A Revolução atingiu esses restos com a Revolução Cultural, ou a Revolução de 1968, em Sorbonne e Berkeley. Este foi o começo de uma mudança no modo de ser do homem no que diz respeito à cortesia, dignidade e pureza. Uma avalanche de vulgaridade, mau gosto e imoralidade caiu sobre o mundo.

Essa revolução nos costumes foi acompanhada por uma negação de qualquer forma de lei e autoridade. Um dos principais slogans da revolta da Sorbonne foi: "É proibido proibir!" Isso se traduz simplesmente em: Sem mais autoridade, sem mais lei. Era absolutamente anarquista.

Também disseminou novas ideias, uma nova filosofia, um novo conceito de homem e sociedade que se chama Estruturalismo. Segundo ele, um homem não deve mais reivindicar para si um pensamento, vontade e sentimento individual, mas deve compartilhar o pensamento coletivo, a vontade e o sentimento da unidade social elementar a que pertence. A estrutura elementar desse novo sistema inspirou-se nas tribos Indígenas. Um novo tribalismo urbano foi introduzido e sua influência pode ser notada em todos os lugares hoje com o novo sentimento comunitário que está sendo promovido e adotado em todos os lugares. É preciso pensar, desejar e sentir o que seu pequeno grupo pensa, deseja e sente, ser esse grupo: uma gangue, um clube de fãs de futebol ou uma pequena célula religiosa. As últimas seriam as comunidades Cristãs básicas que estão sendo amplamente promovidas pela Igreja progressista.

Essa revolução também está mudando a economia, apresentando o modelo de pequenas empresas autogerenciadas para substituir o sistema capitalista atual. É um socialismo radical, mais avançado que o Comunismo, pois foi projetado para passar à próxima fase após a ditadura do proletariado, a chamada síntese final sonhada por Marx e outros ideólogos.

Homosexual marriage

Um "casamento" homossexual em Boston. Relatório Mundial Católico, julho de 1997
Em relação à moralidade, essa Revolução Cultural é absolutamente libertária. Supõe um completo amor livre tribal. Nos últimos 30 anos, a moralidade livre que pregava havia se expandido pouco a pouco no Ocidente. Hoje os costumes mudaram completamente, a moralidade quase desapareceu, o amor livre está praticamente instalado e estamos testemunhando o inimaginável: a concessão de que os homossexuais sejam tratados como cidadãos normais e até a medida radical dos chamados casamentos homossexuais.

A vitória da revolução parece completa. Ou seja, o Reino de Cristo é quase totalmente destruído e o plano do Demônio é realizado. O reinado do Demônio e seus agentes é instalado sobre as ruínas da Cristandade.

Esta é a visão histórica do processo revolucionário como a destruição do Reino temporal de Jesus Cristo.

Antes de lidar brevemente com a Contra-Revolução, deixe-me mostrar como a Revolução está atacando a Igreja Católica. Isso nos dará uma ideia de onde estão os pontos fracos desse processo secular e mostrará que ainda podemos pará-lo e restaurar a Cristandade.

A Igreja Católica e a Revolução

O processo revolucionário, propriamente falando, é o que acabei de descrever. Ou seja, foi dirigido contra a Cristandade, não contra a Igreja Católica.

Paul VI receives dictator Tito

Paulo VI recebendo o ditador comunista Tito no Palácio Apostólico, Vaticano, 29 de março de 1971 - Estado de São Paulo, 30 de março de 1971
A luta do Demônio e suas coortes contra a Igreja Católica em sua história consistiu em lançar perseguições, como as dez perseguições Romanas, e depois estimular heresias. Isso foi, é claro, além de seus contínuos esforços sobrenaturais para tentar indivíduos e fazer com que eles perdessem suas almas.

Através dos séculos, a Revolução foi capaz de mudar certas tendências e ideias dentro da Igreja, mas ainda não havia tocado em suas instituições, que permaneceram estrutural e essencialmente as mesmas que eram no final da Idade Média e do Renascimento. Para mudar as instituições da Igreja e adaptá-las à Revolução, foi necessário realizar um grande evento: o Concílio Vaticano II.

Quando o Vaticano II pediu uma adaptação da Igreja ao mundo moderno, o que estava dizendo é que a Igreja precisava se adaptar à Revolução no mundo. Essa adaptação foi iniciada pelo Concílio nos anos 60 e foi realizada sistematicamente nos últimos 40 anos.

Em resumo, com o processo da Revolução que acabamos de ver, o Demônio reconquistou o mundo por si mesmo, e agora ele está tentando conquistar e vencer a Igreja Católica, a fim de infligir uma derrota completa a Nosso Senhor Jesus Cristo. Se ele tivesse sucesso, a Redenção seria tornada fútil, o que sabemos que é impossível.

Este é o panorama que estamos testemunhando hoje em relação aos objetivos e ao progresso da Revolução.

Existe, no entanto, um adendo importante isso pode mudar a imagem toda.

O ponto fraco da Revolução

A Revolução trabalha incansavelmente e sistematicamente para destruir a Cristandade desde pelo menos o século 14, ou seja, há seis séculos. Agora, ele está tentando realizar um trabalho análogo dentro da Igreja em apenas 40 anos. Isso implica, portanto, a necessidade de uma aceleração considerável em sua velocidade.

No entanto, um dos segredos da vitória da Revolução em cada uma de suas fases históricas era que ela sempre dava tempo suficiente para a opinião pública absorver gradualmente as novidades que cada fase introduzia. Sem o acordo da opinião pública, a Revolução não pode avançar em sua marcha. Perderia o pé, a base na realidade e logo se tornaria uma mera utopia. O caminho para a Revolução Protestante, como vimos, foi lentamente preparado pelo Humanismo e pelo Renascimento. Essa preparação das tendências, ideias e fatos levou cerca de dois séculos para ser executada com sucesso. O mesmo aconteceu com as outras três fases - a Revolução Francesa, o Comunismo e a Revolução Cultural.

Agora, com relação à Revolução Conciliar na Igreja, o Progressismo está enfrentando a situação urgente de mudar toda a face da Igreja em um ritmo acelerado, agindo com uma velocidade impressionante. Esse procedimento apressado de fazer a Revolução avançar dentro da Igreja pode causar constrangimento crítico para seus agentes, porque corre o risco de fazer com que a opinião pública Católica reaja fortemente contra as novidades propostas. Se tal reação ocorresse, a Revolução precisaria parar e continuar a uma velocidade mais lenta. Mas, por muitas razões que poderiam ser explicadas mais tarde, a Revolução não tem tempo para esperar por uma absorção lenta e metódica da Revolução Conciliar. Portanto, descobrimos um ponto fraco no processo. Se isso fosse bem explorado por nós, pode se tornar o ponto pelo qual a Revolução poderia ser derrotada na Igreja Católica.

Vatican II

O Vaticano II fez uma revolução de alta velocidade na Igreja Católica. Existe um grande risco de uma cristalização geral entre os Católicos. Acima, Bispos deixam a Basílica de São Pedro durante o Concílio. - As notícias de 25 de outubro de 2002
Quando o Concílio Vaticano II foi anunciado, a opinião pública Católica não estava suficientemente preparada nem nas tendências nem nas ideias para receber suas novidades. Para inúmeros Católicos, as reformas do Concílio foram uma surpresa e um choque. Normalmente eles teriam rejeitado fortemente. Eles só aceitaram a Revolução Conciliar por causa do peso de dois Papas - João XXIII e Paulo VI - e dos cerca de 2.400 Bispos que a aprovaram. Até hoje, o Concílio é aceito principalmente pelo apoio de quatro Papas e quase todos os Bispos desses últimos 40 anos.

Paralelamente a esse apelo maciço à autoridade para fazer com que os fiéis engulam o Concílio, também foi aplicada uma espécie de anestesia. Um de seus principais fatores é que os fiéis Católicos devem aceitar as novidades intermináveis sem nenhuma discussão. Acima de tudo, nenhuma discussão pública! Um bom exemplo de como isso é aplicado pode ser encontrado na Comissão Ecclesia Dei, que é o órgão do Vaticano que dá permissão para celebrar a Missa Tridentina. Exige uma promessa por escrito do padre que envia um pedido para nunca levantar uma polêmica pública sobre o Concílio ou a Nova Missa. O padre pode dizer a Missa Tridentina, mas ele está proibido de levantar uma discussão pública - ou mesmo um simples protesto - sobre o Concílio ou a Nova Missa. Ou seja, acima de tudo, o Vaticano teme uma polêmica pública sobre esses pontos.

Por quê? Porque, se uma controvérsia pública ocorrer em um campo aberto, ficaria claro que os quatro Papas que apoiaram o Concílio e as novidades pós- Concílio claramente tomaram posições contra os quase 2000 anos de ensino uniforme e consistente dos Papas anteriores, afirmando precisamente o contrário. Também a apostasia em larga escala dos Bispos, desde a época do Concílio até nossos dias, ficaria clara, e a cristalização dos fiéis contra essa traição poderia facilmente transformar a reação em um fenômeno em massa. Um fenômeno que rejeitaria o Concílio e exigiria um retorno à tradição.

Portanto, o ponto fraco da Revolução hoje é a controvérsia pública sobre o Vaticano II e a Nova Missa dentro da Igreja Católica.

Não é minha intenção apresentar em detalhes aqui um plano de como destruir a Revolução na Igreja e, como consequência, todo o processo da Revolução. Em uma fita chamada “Como parar a Revolução Conciliar,” apresentei alguns pontos para isso. Além disso, não é meu objetivo descrever aqui os princípios contra-revolucionários para restaurar uma nova Cristandade.

Aqui pretendo apenas enfatizar que a Revolução não conquistou tudo dentro da Igreja. E também quero enfatizar que não vai ganhar. Esta é uma pergunta fechada. Se fosse para vencer, a promessa divina de Nosso Senhor de sempre proteger a Igreja seria violada, o que é impossível. Portanto, somos chamados a essa luta gloriosa neste momento privilegiado da História. Somos chamados a unir nossas forças para derrotar a Revolução dentro da Igreja e, assim, frustrar todo o processo revolucionário.

Há apenas um ponto que ainda precisa de explicações neste artigo: o que é a Contra-Revolução?

Um breve resumo da Contra-Revolução

A Contra-Revolução é uma reação contra a Revolução. Uma reação a todos os aspectos da Revolução. À sua própria essência, bem como às suas fontes, objetivos, estratégias, métodos, meios e agentes.

Explicar cada um desses pontos levaria muito tempo. Se Deus quiser, pretendo fazê-lo no futuro.

Deixe-me apenas dar um exemplo. Vou aplicar a noção de Contra-Revolução aos meios conservadores e tradicionalistas, a fim de esclarecer o que isso significa a esse respeito.

Qual é a diferença entre um conservador, um tradicionalista e um contra-revolucionário?

Normalmente, um conservador é entendido como alguém que deseja conservar o que possui por uma questão de hábito. Então, diante da Revolução na Igreja que muda tudo, ele se opõe a uma parte porque ela rompe seus hábitos e destrói o que ele sente de confortável. Sua oposição, no entanto, não tem raízes profundas porque não é sustentada por princípios. Por esse motivo, com o passar do tempo, o conservador muda pouco a pouco para a esquerda. Ontem, por exemplo, ele se opôs à música pop nas igrejas, hoje ele aprova as missas com rock'n'roll nas Jornadas Mundiais da Juventude.

O tradicionalista é uma pessoa que, diante das mudanças na Igreja - Vaticano II, a nova Moral, a Nova Missa, a nova liturgia, etc. - quer voltar ao tempo antes do Vaticano II. Ou seja, no tempo em que a tradição era respeitada e havia bons costumes, igrejas e devoções piedosas, a Missa Tridentina, é claro, e muitas outras coisas salutares. Para retornar a esse ideal, alguns querem voltar ao tempo de Pio XII, outros ao tempo de Pio XI, outros ainda mais. Mas mesmo que sejam inspirados por princípios, eles não veem o quadro inteiro. Eles não se colocam no cenário de uma luta centenária.

Our Lady

Nossa Senhora é a Rainha da
Contra-Revolução. Ela triunfará sobre a atual crise na Igreja, como previu em Fátima
O contra-revolucionário é aquela pessoa que, diante das mudanças modernas na Igreja, quer destruir a própria fonte dessas mudanças. Ele vê as mudanças como o objetivo de uma corrente ruim - o Progressismo - que é o herdeiro de outra corrente ruim - o Modernismo - que foi o herdeiro do Liberalismo. Por sua vez, o Liberalismo estava ligado a todo um conjunto de outras correntes que eram inspiradas e apoiadas por grupos e associações que sempre trabalhavam e lutavam contra a Igreja Católica e a Cristandade. Este movimento é a Revolução.

Portanto, o contra-revolucionário é aquela pessoa que vê toda a Revolução por trás das mudanças atuais na Igreja e deseja destruí-la. Ele quer estabelecer na Igreja e na sociedade civil exatamente o oposto do que a Revolução deseja. Essa seria uma ordem tradicional, mas é um tipo de tradicionalismo que está sempre na posição militante de contra-ataque contra o mal.

Portanto, embora os três possam trabalhar juntos, conservadores, tradicionalistas e contra-revolucionários têm diferentes graus de profundidade e eficácia em suas posições.

Uma tendência boa e generalizada que existe hoje nos Estados Unidos é que os conservadores se tornem tradicionalistas e que os tradicionalistas se tornem contra-revolucionários. Promover uma tendência tão boa é uma das razões para este artigo. O objetivo é revelar o verdadeiro inimigo nos bastidores - a Revolução - para aumentar as fileiras dos contra-revolucionários comprometidos com uma ação eficiente.

Agradeço a Nossa Senhora pelo fato de essas fileiras estarem aumentando. É claro que ela está trabalhando em almas para dar a vitória à Contra-Revolução e estabelecer uma nova Cristandade, que será o Reino de seu Imaculado Coração que ela anunciou em Fátima.

“Dada a atualidade do tema deste artigo (23 setembro de 2004), TIA do Brasil resolveu republicá-lo - mesmo se alguns dados são antigos - para benefício de nossos leitores.”

Postado em 23 de outubro de 2020


burbtn.gif - 43 Bytes


Tópicos relacionados de interesse


burbtn.gif - 43 Bytes   Filosofia e Teologia da História

burbtn.gif - 43 Bytes   Personalidades contra-revolucionárias

burbtn.gif - 43 Bytes   Revolução e Contra-Revolução nas Tendências, Ideias e Fatos

burbtn.gif - 43 Bytes   Compreendendo as Cruzadas

burbtn.gif - 43 Bytes   O Canto do Cisne do Mito de Galileu

burbtn.gif - 43 Bytes   A Personalidade de Carlos Magno


burbtn.gif - 43 Bytes


Trabalhos relacionados de interesse



 Revolução e Contra-Revolução




Livreto

A República Universal abençoada pelos Papas Conciliares




CD ou Fita

Como parar
a Revolução Conciliar






História  |   Início  |  Livros  |  CDs  |  Procurar  |  Contacte-nos  |  Doar

Tradition in Action
© 2018-    Tradition in Action do Brasil    Todos os Direitos Reservados