Sim, por favor
Não, obrigado

Sociedade Orgânica

donate Books CDs HOME updates search contact

Todas as Classes devem ter Elites

Plinio Corrêa de Oliveira

Na língua Portuguesa existe uma distinção entre professor universitário e mestre. Embora não seja um professor com a autoridade superior que acompanha esse título, o mestre atrai discípulos por sua influência e prestígio. Esses discípulos são homens que vêm a ele para seguir seu pensamento.

Master blacksmith

Um mestre ferreiro dá instruções aos seus trabalhadores
O professor tem poderes próprios da profissão docente. Mas o mestre tem outro tipo de prestígio inerente à profissão docente e pode exercer tanta influência que chega a suplantar o do professor. Às vezes, os níveis mais elevados de uma profissão não são mantidos por aqueles com todos os títulos apropriados, mas por aqueles que se destacam por seus atributos superiores.

Na Idade Média, quando o trabalho artesanal era o meio de produção industrial, o encarregado de uma determinada oficina que se destacava em seu ofício exercia sobre seus discípulos uma influência semelhante à de um mestre universitário. É por isso que ele foi chamado de mestre da guilda (Corporação de Ofício). Outros ficariam sob suas asas, seguindo o costume feudal de um subordinado confiar em seu superior. Dentro de uma cidade, o mestre da guilda era, de certa forma, o reflexo do senhor feudal do campo. As guildas nas cidades eram, pode-se dizer, filhas do feudo do campo. É questionável se as guildas teriam nascido se os feudos não existissem.

Na verdade, as guildas tinham características feudais. Um aprendiz buscou a proteção de um mestre e foi tratado como membro de sua família, recebendo uma formação moral junto com a instrução técnica. Ele aprendeu o ofício principalmente ouvindo e seguindo o exemplo do mestre. Por isso, existem poucos documentos que descrevam os métodos e sistemas de produção artesanal da época.

Acredito que essa forma de ensinar e produzir é muito mais orgânica e sacra que outras que vieram depois. Hoje a única preocupação da produção é ganhar dinheiro. Não há mestre. Ele foi substituído por um especialista que é contratado para ensinar os trabalhadores a realizar suas tarefas específicas e é pago por hora.

Origem feudal das guildas

Antes do crescimento das cidades, a indústria e o comércio se desenvolviam dentro do feudo. Tanto o produtor quanto o mercado consumidor estavam ali. Era uma economia muito fechada.

Podemos nos perguntar se poderia haver um tipo de progresso tecnológico que fosse compatível com aqueles laços feudais e não aderisse ao fermento revolucionário, que parecia ter entrado muito em breve nas corporações comerciais da cidade. Com efeito, não há dúvida de que o ambiente feudal foi muito bom e propício à constituição das guildas, mas não é a única possibilidade de uma estrutura orgânica, nem a única lícita. Estaríamos rejeitando a realidade se negássemos isso.

O caráter religioso da maioria das guildas

Church of Orsanmichelle, outdoor shrine

A corporação de escultores de pedra e madeira de Florença escolheu como patronos quatro mártires que se recusaram a esculpir ídolos sob Diocleciano
Um defeito da indústria a ser combatido é a existência do indivíduo isolado, sem relações com os outros, que não pertence a nenhuma estrutura ordenada e hierárquica. Com as guildas isso não ocorria, pois envolviam toda a vida do indivíduo em torno de associações religiosas, ou confrarias. Pelo menos foi o que sustentaram os historiadores até a década de 1980, quando parei de lê-los. Não sei o que escreveram depois disso.

A confraria dos carpinteiros, por exemplo, levando em consideração que a Igreja nomeada São José como padroeiro de seu métier, adotaria como sua a festa de São José. Levando seu estandarte com uma representação de São José, todos os carpinteiros de uma aldeia processariam nas ruas naquele dia. Movida por um princípio próprio de todas as associações - ou seja, a associação estabelecida tende a absorver todos os que têm funções semelhantes e a servi-los - a confraria desenvolveu-se em corporação temporal, conservando seu núcleo religios.

Frequentemente, as guildas se originaram dessas confrarias. Do contrário, quando o propósito religioso fosse acrescentado, isso completaria perfeitamente os objetivos da guilda. O objetivo espiritual harmonizou-se natural e facilmente com o objetivo funcional da guilda.

As elites naturais das guildas

Como a maioria dos integrantes de uma oficina morava no mesmo bairro, suas famílias interagiam e se socializavam, todas obedecendo à hierarquia interna do empreendimento - constituída pelo mestre artesão, oficiais (que dominavam o oficio) e aprendiz. Assim, formou um corpo orgânico e hierárquico. Este corpo não era feudal por natureza, mas hierárquico, e tendia a formar uma elite. Acredito que esse seja um ponto fundamental para entender a vida na cidade medieval.

Os especialistas mais experientes e confirmados em sua área de artesanato se tornariam mestres, receberiam melhores salários, adquiririam mais respeito e teriam mais autoridade. Esta tendência natural para a perfeição no ofício se estabelecia naturalmente o nível diferente entre o mestre e o aprendiz, semelhante ao que existia entre o nobre e o plebeu.

Em relação às relações humanas, considero esse processo interno nas guildas inteiramente aceitável quando bem desenvolvido. Acredito que uma vida urbana constituída por confrarias, associações e bairros estava próxima do ideal.

Uma sociedade contrarrevolucionária ideal

Uma sociedade contrarrevolucionária deve ter hierarquia entre as classes. Dentro de cada classe também deveriam existir elites, determinadas por quem tem mais conhecimento de um campo, capacidade para o trabalho, competência, etc. Uma sociedade plenamente articulada por elites representaria o ideal da Contra-Revolução.

Annual guild procession in Zurich, Swizterland

Os mestres de corporações em Zurique têm o privilégio de cavalgar em sua procissão, enquanto os outros trabalhadores caminham a pé
A Revolução gosta de apresentar a Idade Média e o Antigo Regime (Ancien Regime) como fases da História onde existiam apenas a nobreza e o resto do povo, desprezado pela nobreza. É uma apresentação adulterada da realidade. Na verdade, esses períodos da História geraram uma sociedade hierárquica com elites orgânicas em todos os campos e níveis da sociedade.

Então, podemos ver que a organização social ideal já existia. Certamente devemos estudar como evitar que esse processo seja corrompido, mas esse já é um problema diferente. Nosso ponto aqui é que não precisamos inventar outro tipo de organização - ela já existia. Precisamos apenas adaptá-lo a novas situações.

Eu entendo que em uma grande sociedade esses tipos de relações humanas podem ser bem diferentes. É natural e bom que tais diferenças apareçam, dependendo das várias profissões e trabalhos concretos. Na verdade, eles podem muito bem produzir novas formas de relações humanas hierárquicas.

Considero esse fenômeno bom na medida em que vem naturalmente dos costumes e não é planejado de antemão. Tenho todas as dificuldades com o tecnocrata que se senta com seu lápis e régua e desenha artificialmente diagramas em um pedaço de papel sobre como deveriam ser as classes de uma sociedade. Tanto o Nazismo quanto o Comunismo têm esse mesmo defeito de planejamento artificial. De tais esquemas ou quaisquer outros planos artificiais e pré-concebidos, nada orgânico e vivo pode nascer.

Postado em 26 de abril de 2021

Tradition in Action

Dr. Plinio Correa de Oliveira
Prof. Plinio
Sociedade Orgânica foi um tema caro ao falecido Prof. Plinio Corrêa de Oliveira. Ele abordou este tema em inúmeras ocasiões durante a sua vida - às vezes em palestras para a formação de seus discípulos, às vezes em reuniões com amigos que se reuniram para estudar os aspectos sociais e história da cristandade, às vezes apenas de passagem.

Atila S. Guimarães selecionou trechos dessas palestras e conversas a partir das transcrições das fitas e de suas anotações pessoais. Ele traduziu e adaptou-os em artigos para o site da TIA. Nestes textos, a fidelidade às ideias e palavras originais é mantida o máximo possível.

burbtn.gif - 43 Bytes


Tópicos relacionados de interesse


burbtn.gif - 43 Bytes   A Cidade e sua Nobreza

burbtn.gif - 43 Bytes   Um Élan para a perfeição deve existir em todas as classes

burbtn.gif - 43 Bytes   Como o homem deve agir sobre o seu ambiente natural

burbtn.gif - 43 Bytes   Tradição, Estagnação e Progresso

burbtn.gif - 43 Bytes   Declínio Natural e Antinatural do Clã

burbtn.gif - 43 Bytes   Sociedade Orgânica e o desejo do Paraíso

burbtn.gif - 43 Bytes   Os verdadeiros amigos do povo são tradicionalistas

burbtn.gif - 43 Bytes   Revolução e Contra-Revolução - Visão Geral


burbtn.gif - 43 Bytes


Trabalhos relacionados de interesse


C_RCR_B.gif - 5427 Bytes
C_Miserablist_R.gif - 4832 Bytes

C_RCRTen_B.gif - 6810 Bytes




Sociedade Orgânica  |  Sócio-política  |  Início  |  Livros  |  CDs  |  Procurar  |  Contacte-nos  |  Doar

Tradition in Action
© 2018-    Tradition in Action do Brasil   Todos os Direitos Reservados