Sim, por favor
Não, obrigado

Sociedade Orgânica

donate Books CDs HOME updates search contact

Feudalismo e o Estado Moderno

Plinio Corrêa de Oliveira

Para entendermos o fenômeno do feudalismo, temos que entender como ele foi geralmente constituído.

Muenster Braun Hogenberg

Muitas cidades medievais, como Munster acima e Cluny abaixo, começaram a se desenvolver em torno dos mosteiros

Cluny
Quando os perigos Muçulmanos e bárbaros deixaram de ser um problema do dia a dia do homem medieval, as pessoas começaram a viajar e os mosteiros começaram a surgir nos bosques, vales ou montanhas. Então, grupos de pessoas seguiram os monges para aqueles lugares solitários e não cultivados onde eles construíram seus mosteiros longe do contato humano.

Eles seguiram os monges para se beneficiar de sua influência espiritual. Hoje, os apóstolos devem procurar as pessoas que fogem delas. Naquela época era o contrário, as pessoas seguiram os apóstolos que fugiram do mundo. Assim, os mosteiros se tornaram centros em torno dos quais aldeias e cidades foram construídas.

Existem algumas cidades que mantêm essa origem em seu nome, como Moustier na França ou Munster na Alemanha. Moustier é o arcaico Francês para mosteiro, e Munster é o equivalente Alemão.

Outras vezes, aldeias e cidades cresciam em torno dos castelos ou fortalezas bem defendidas. Com esta nova tendência, um número considerável de pessoas que viviam no campo feudal trabalhando na terra mudou-se para as cidades.

Na organização feudal, as relações do senhor com seus súditos eram as de um pai que vivia entre os filhos. Os vassalos casaram-se entre si e todo o patrimônio feudal adquiriu as características de uma grande família. As pessoas comuns faziam parte desta família, na qual levavam uma vida alegre e cheia de vida.

Lembro-me de ter lido sobre esse tópico específico em um livro de Regine Pernoud, a famosa estudiosa Francesa da Idade Média. Ela perguntou quais eram as distrações das pessoas comuns naquela época.

Tres Riches Heures Berry

As pessoas da aldeia faziam parte da vida e da família dos nobres do castelo
Ela respondeu que a diversão deles era observar o movimento e os costumes dos nobres no castelo. Eles comentavam sobre suas maneiras, roupas, modos de ser, excursões de caça e música e canções, não como pessoas excluídas desses entretenimentos, mas como filhos da mesma família que admiravam os outros membros. Esta foi a distração deles.

Não tiveram a inveja de que a Revolução se implantaria mais tarde nas classes mais baixas para promover a luta de classes. Por isso, puderam admirar a superioridade de quem legitimamente tinha mais. Eles admiraram e seguiram seu exemplo, adaptando-se à grandeza do senhor. Eles também tinham sua parte nesses prazeres, ajudando nas várias cerimônias religiosas e civis, cozinhando e servindo às suas mesas, caçando com eles e participando de inúmeras maneiras na vida dos nobres. Assim, a vida do castelo era o centro de diversão e a escola de civilização dos camponeses que viviam ao seu redor.

A propriedade feudal era composta, portanto, por um grupo de famílias, ou melhor, uma família de famílias que se reunia em torno do senhor feudal.

Disputa entre o poder feudal e as cidades

O que aconteceu quando essas pessoas se mudaram para as cidades?

Langeais Castle

O Castelo de Langeais, no Vale do Loire, foi construído para a guerra, mas depois foi transformado em uma bela "casa de campo para a realeza." De suas costas, abaixo, ainda se pode ver a parede de pedra medieval

Langeais Castle back

No século 16, castelos luxuosos como Chambord, abaixo, rosa, construída para ser um enorme resort de caça para a realeza

Chambord Castle

Muitos castelos na França foram destruídos durante a Revolução Francesa. Abaixo, as ruínas do castelo com vista para a cidade medieval de Angles sur l'Anglin, Poitou

Angles surl Anglin, Poitou
Havia uma tendência dessas redes familiares de manter os laços daqueles relacionamentos estreitos quando se mudavam para a cidade. Por outro lado, havia uma tendência da cidade em desvendar essas redes familiares, consideradas prejudiciais aos interesses da cidade, uma vez que a influência dos chefes de família competia com a das autoridades municipais.

Em uma pequena ou média cidade medieval, pode-se ter cinco, dez ou vinte dessas redes familiares formadas por descendentes dos antigos senhores dos castelos. Além disso, os descendentes de camponeses formariam redes familiares semelhantes que mantiveram seus próprios hábitos e tradições.

Ambos os tipos de grupos não dariam muita atenção à administração da cidade, pois para eles o que importava era o chefe da família a que pertenciam, cuja autoridade descendia de seus avós que haviam residido no campo da propriedade feudal. Esses grupos familiares se adaptaram às novas circunstâncias da cidade, mas a influência de seus líderes permaneceu muito forte e eficaz.

Essas duas tendências causaram um choque entre os respectivos poderes - o poder da cidade atacou o poder das famílias. Em cada cidade e país que formou a Cristandade, essa luta teve uma história diferente. Terminou, porém, com a vitória do Estado Moderno, que absorveu por completo o poder das famílias e estabeleceu o reinado do anonimato.

Na França, por exemplo, as duas reformas feitas por Richelieu e Colbert contra os direitos feudais, respectivamente sob Luís XIII e Luís XIV, destruíram o poder das famílias e as características da vida feudal. Portanto, na época de Luís XIV, o rei havia se tornado o grande representante de um tipo diferente de sociedade, que era o oposto de uma sociedade orgânica. Ele centralizou tudo tanto quanto pôde. Essas reformas impostas pelos Reis da França mataram as raízes da vida feudal familiar Francesa e prepararam o caminho para o Estado Moderno criado pela Revolução Francesa. Este último não teria sido possível sem Richelieu e Colbert extinguindo a rede familiar saudável na vida feudal que existia antes.

Algumas pessoas se perguntam por que não há muitos castelos medievais na França hoje, ou pelo menos não tantos como na Espanha e na Alemanha. A razão é simples: Richelieu costumava dar assistência financeira especial aos nobres que transformaram seus castelos medievais em palácios de estilo Renascentista.

Sob Luís XIV, uma nova onda de reformas varreu a França mudando as fachadas dos castelos para seguir os estilos arquitetônicos mais recentes. A maioria dos castelos medievais da França foi destruída por aquelas reformas sob Reis Católicos, que foram feitas precisamente para destruir a resistência que os direitos feudais ofereciam contra um poder governamental centralizado. A Revolução Francesa destruiu apenas o pouco que restou. A obliteração ou reforma do castelo medieval simboliza o que aconteceu com toda a estrutura da sociedade medieval francesa. Sua destruição foi feita pelos Reis absolutistas e foi finalizada pela Revolução Francesa e Napoleão.

Rivalidades feudais internas e o renascimento da monarquia

Durante o desenvolvimento do feudalismo, o papel do rei enfraqueceu muito. Então, após seu desenvolvimento, um problema surgiu naturalmente para muitos desses senhores feudais.

Ainda havia um rei, mas os senhores haviam perdido o hábito de obedecê-lo. Da mesma forma, o rei havia perdido quase completamente o hábito de comandá-los. Muito pouco restou do antigo sistema imperial ou real. A nova realidade feudal se espalhou por todo o reino e representou uma desarticulação completa do antigo sistema. Em seguida, cada feudo era um mundo fechado, constituindo uma unidade, uma célula de um novo sistema. Foi necessário rearticular esse sistema feudal em torno do rei?

King William grants Charter

Rei William (1027-1087) concedendo um foral
para a cidade de Londres
Por que essa pergunta veio à mente dos senhores feudais? Primeiro, como uma homenagem ao poder real que ninguém negou. Teoricamente falando, todos os senhores admitiram que deveriam estar sob um poder monárquico. Em segundo lugar, os reis estavam desempenhando um papel importante na defesa do país contra outro tipo de adversário que surgisse. Até então, o adversário era o inimigo não Católico, o Sarraceno ou o bárbaro. Mas então o adversário passou a ser o rei de um país vizinho que uniu seus senhores feudais ao seu redor para conquistar outro reino. Assim, o rei de um país atacado tornou-se um elemento importante para congregar os senhores feudais e salvar o país.

A diminuição da pressão vinda de adversários externos deu origem a rivalidades internas entre os diferentes países da Cristandade. Essas rivalidades deram a cada rei um novo papel. Assim, a identidade do país que se perdera durante o desenvolvimento do feudalismo começou a retornar, tendo o rei como centro. Esta rearticulação imposta pelas circunstâncias foi compreendida por todos, fazendo com que os senhores feudais voltassem a obedecer naturalmente ao rei e lhe prestassem uma homenagem especial.

Em suma, houve duas razões para o retorno do rei ao poder:
  • Primeiro, uma razão moral com formação religiosa. Os senhores deviam obediência ao rei porque, como no caso da França, ele havia sido ungido por Deus e, no caso do Sacro Império, havia sido instalado pelo Papa.

  • Então, um motivo estratégico. Se o país quisesse manter sua identidade diante das agressões de reis vizinhos, era obrigado a se unir em torno de uma força central.
Portanto, na história medieval, encontramos um movimento oscilante. O poder foi centralizado sob Carlos Magno; tornou-se descentralizado com o feudalismo; e no final da Idade Média tornou-se novamente centralizado. Este último movimento de centralização, que já não retinha o poder monárquico dentro de limites legítimos, levou aos monarcas absolutos da Renascença, que por sua vez atacaram o que restava da estrutura familiar e orgânica do feudalismo que caracterizava a Cristandade medieval.

Postado em 2 de agosto de 2021

Tradition in Action

Dr. Plinio Correa de Oliveira
Prof. Plinio
Sociedade Orgânica foi um tema caro ao falecido Prof. Plinio Corrêa de Oliveira. Ele abordou este tema em inúmeras ocasiões durante a sua vida - às vezes em palestras para a formação de seus discípulos, às vezes em reuniões com amigos que se reuniram para estudar os aspectos sociais e história da cristandade, às vezes apenas de passagem.

Atila S. Guimarães selecionou trechos dessas palestras e conversas a partir das transcrições das fitas e de suas anotações pessoais. Ele traduziu e adaptou-os em artigos para o site da TIA. Nestes textos, a fidelidade às ideias e palavras originais é mantida o máximo possível.

burbtn.gif - 43 Bytes


Tópicos relacionados de interesse


burbtn.gif - 43 Bytes   Vocações dos Povos Europeus

burbtn.gif - 43 Bytes   A Formação Orgânica do Feudalismo

burbtn.gif - 43 Bytes   Revolução e Contra-Revolução - Visão Geral

burbtn.gif - 43 Bytes   O que é a Sociedade Orgânica?

burbtn.gif - 43 Bytes   Os passos de um relacionamento orgânico

burbtn.gif - 43 Bytes   Sociedade Orgânica e o desejo do Paraíso

burbtn.gif - 43 Bytes   A lua e seu halo

burbtn.gif - 43 Bytes   Partida para a Primeira Cruzada: um Desejo por Sublimidade

burbtn.gif - 43 Bytes   Grupos de Amigos e Corporações


burbtn.gif - 43 Bytes


Sociedade Orgânica  |  Sócio-política  |  Início  |  Livros  |  CDs  |  Procurar  |  Contacte-nos  |  Doar

Tradition in Action
© 2018-    Tradition in Action do Brasil   Todos os Direitos Reservados