Sim, por favor
Não, obrigado

Sociedade Orgânica

donate Books CDs HOME updates search contact

As Três Ordens da Sociedade Medieval

Plinio Corrêa de Oliveira

Na Idade Média, a sociedade era composta por três ordens, o clero, a nobreza e o povo, cada ordem tendo suas responsabilidades, privilégios e honras especiais.

Clergy, nobility & people

Classes da sociedade medieval: clero, nobreza e povo
Nessa divisão tripartite, havia limites claros entre aqueles que governavam e aqueles que obedeciam, como em qualquer grupo social. No entanto, cada uma dessas três classes, à sua maneira e grau, participava do governo. Insisto nisso porque a saga revolucionária retrata de maneira diferente a Idade Média e o Ancien Regime Segundo ele, este período da História foi dominado por um absolutismo onde apenas o Rei comandava, sem que ninguém mais compartilhasse seu poder ou participasse de qualquer forma de seu governo.

Essa acusação é falsa. Nem mesmo se aplicaria aos Czares da Rússia, que era o tipo de governo que mais se aproximava dessa caricatura. A única vez em que esse absolutismo se tornou realidade foi sob o Comunismo. Então, sim, uma 'monarquia absoluta' foi estabelecida de uma forma que facilmente levou a abusos, excessos e exageros.

Mas a Revolução não acusa o Comunismo disso. Guarda essa crítica para as sociedades nascidas sob a influência da Igreja desde o início da Idade Média até o final do Ancien Regime. Assim, acusa os reinos medievais de exercerem uma monarquia absoluta que simplesmente não existia, e cala-se ante o absolutismo que realmente existiu na Rússia Comunista.

O que Santo Tomás de Aquino recomenda como boa forma de governo é uma monarquia que inclua a participação de todas as classes sociais: o clero, a nobreza e o povo.

A primeira classe é o clero

Como o clero, como classe social, participa do governo do Rei?

Way of Salvation by Andrea de Firenze

O clero dirigindo todas as ordens da sociedade para o Céu
Hoje, dado que a Igreja está separada do Estado em quase todos os países, pode ser difícil entender como o clero pode ser referido como a primeira classe da sociedade e como uma classe política poderosa.

O clero é a primeira classe da sociedade por causa de seu caráter sagrado. Seus membros são os encarregados do culto a Deus e da pregação do Evangelho, as obras mais elevadas que existem. O primeiro mandamento afirma claramente que devemos amar a Deus acima de todas as coisas. Assim, a classe de homens que orienta e incentiva esse amor na sociedade é a primeira.

Ao ensinar a Moral Católica, o clero lança o próprio fundamento da civilização. Sem moral, um país não tem valor, e é o clero Católico que possui todos os meios sobrenaturais e naturais para inculcar a moral autêntica em um país. Sendo esta a missão mais elevada e fundamental, é natural que os homens a ela confiados ocupem o primeiro lugar na sociedade.

Nobreza - ciente de seu lugar como segunda classe

O segundo lugar pertence à nobreza. Mais uma vez, a saga revolucionária apresenta essa classe como uma classe fervilhante de vaidade, apaixonada por si mesma, embriagada de sua própria grandeza, ciumenta de seus privilégios e proibindo qualquer um de estar acima dela. Esta é uma acusação ridícula. A nobreza como classe nunca foi assim, nem na Idade Média nem depois.

Pelo contrário, como acabamos de dizer, a primeira classe - acima da nobreza - era o clero. A nobreza estava bem ciente de que era a segunda classe. Nas reuniões, eventos sociais, cerimônias oficiais, a ordem que tinha os primeiros lugares de honra era o clero. E o clero era composto não só pelos filhos da nobreza, mas também pelos filhos do povo, segundo a vocação que Deus havia dado a cada um. Na Igreja, o que contava era o lugar que um homem ocupava na hierarquia eclesiástica, não a posição social em que nasceu.

Enfatizo esses princípios para se opor às ideias erradas que a Revolução espalhou sobre os regimes sociais que existiam antes da Revolução Francesa.

Como as três classes participaram do governo

Tanto o clero quanto a nobreza participavam do governo do país de várias maneiras. Ambos os grupos tiveram inúmeros feudos onde exerceram forte influência. Sim, até o clero tinha feudos temporais: às vezes, uma paróquia tinha uma grande propriedade; às vezes uma abadia ou um convento controlava um grande feudo nesta ou naquela região do país. Como exemplos, temos os Bispos de Colônia e Genebra que foram ao mesmo tempo Príncipes temporais governando grande quantidade de terras. Um dos Bispos de Genebra foi o suave São Francisco de Sales, conhecido por sua doçura.

Ao governar os pequenos assuntos que faziam parte da vida cotidiana, esses senhores representavam para o povo pequeno o Rei, a quem o povo raramente via. Portanto, na realidade, esses senhores temporais - nobres ou clérigos - eram os longa manus [braço longo] do Rei.

A influência da nobreza também foi grande porque todo o poderio militar pertencia a ela. Todos os militares estavam sob o Rei, é verdade, mas a grande maioria dos comandantes eram nobres. Era raro um plebeu entrar no exército como oficial. Às vezes, um plebeu que realizava grandes feitos e se tornava um herói era feito nobre e então compartilhava do comando. O poder dos militares é óbvio. Muitas vezes não o percebemos em tempos de paz, mas assume relevância e torna-se decisivo em tempos de agitação ou guerra.

Tax of blood paid by the nobility

A nobreza tinha a obrigação de ir para a batalha
À nobreza cabia a defesa do país diante das agressões externas, bem como a manutenção da ordem social e política de seus feudos. Normalmente os nobres também assumiam as funções do que hoje seria governador, prefeito, presidente da câmara, juiz e chefe de polícia. Ele exerceria todas essas funções sem nenhuma despesa para a Coroa.

Como vemos, essas duas ordens - o clero e a nobreza - estavam voltadas para o serviço do bem comum. Para compensá-los por esse grande fardo, eles estavam isentos de impostos.

O povo exercia sua influência por meio das corporações. As corporações operárias tinham suas próprias leis, privilégios especiais e, às vezes, até seus próprios tribunais, governados por homens de suas próprias fileiras, independentes dos funcionários do Rei, dos nobres ou da cidade. Muitas vezes essas corporações constituíam pequenas repúblicas burguesas autônomas dentro da monarquia.

O povo era a classe voltada para o trabalho de produção. Eles tiveram o privilégio de não participar da guerra ou fazê-lo de uma forma muito menor do que a nobreza. O povo geralmente tinha direitos exclusivos sobre as profissões mais lucrativas da indústria e do comércio.

Como eles participaram dos perigos da guerra? Se desejassem, poderiam ir para a batalha, mas seriam bem pagos pelo Rei por seus serviços. Para muitos, a guerra era uma chance de ganhar dinheiro e uma oportunidade de fazer feitos heroicos e ascender à nobreza. Era a possibilidade de ter outra carreira diferente das tradições normais do campo ou da cidade. Portanto, muitos queriam ir para a guerra, mas era uma participação voluntária, diferente da nobreza que tinha a obrigação de fazê-lo.

Normalmente, os membros da terceira ordem, o povo, não tinham nenhuma obrigação especial para com o Estado. Eles trabalharam para o bem comum na medida em que atendiam aos seus próprios interesses individuais e familiares. Eles desfrutaram de muitas honras e privilégios que protegeram cuidadosamente. Seu principal ônus como classe era pagar impostos. Havia um ditado medieval: “A lã tem que vir das ovelhas.” Sendo o povo - a burguesia e os plebeus - quem recebia as vantagens advindas de empregos lucrativos, cabia a eles a responsabilidade de pagar os impostos com razão.

Harmonia nessa participação

O equilíbrio desses diversos grupos autônomos costumava trazer uma grande harmonia à nação com esse tipo de governo participativo.

Three orders of society

As ordens da sociedade medieval: acima, clero e nobreza; abaixo, o povo - burgueses e plebeus
Como vimos, a Igreja e o Estado são sociedades perfeitas, distintas e soberanas nos seus respectivos campos: a Igreja na esfera espiritual, o Estado na esfera temporal.

Esta distinção, entretanto, não impediu o clero de ter uma participação no governo temporal. Era comum que membros do clero tornassem-se conselheiros do Rei ou dos nobres e, por meio dessa influência, participassem do poder temporal. Já discutimos os Bispos e Abades que realmente tinham poder temporal, que é outra forma de o clero participar do governo do Rei.

Esta divisão harmônica - o clero, a nobreza e o povo - nos lembra das assembleias representativas que caracterizaram a vida de muitas monarquias do período feudal e Ancien Regime, como as Cortes em Portugal e Espanha, os Estados Gerais na França e o Parlamento na Inglaterra. Nessas assembleias havia uma representação nacional autêntica que espelhava fielmente uma sociedade orgânica.

Com o Iluminismo, uma filosofia política revolucionária foi adotada por muitos líderes de países Europeus. Então, sob a influência de uma noção errônea de liberdade, o Velho Mundo iniciou o caminho que destruiria os corpos intermediários da sociedade, faria uma completa laicização do Estado e estabeleceria assembleias inorgânicas compostas por membros escolhidos em critérios meramente quantitativos. de representação, o número de votos em uma caixa.

Postado em 5 de abril de 2021

Tradition in Action

Dr. Plinio Correa de Oliveira
Prof. Plinio
Sociedade Orgânica foi um tema caro ao falecido Prof. Plinio Corrêa de Oliveira. Ele abordou este tema em inúmeras ocasiões durante a sua vida - às vezes em palestras para a formação de seus discípulos, às vezes em reuniões com amigos que se reuniram para estudar os aspectos sociais e história da cristandade, às vezes apenas de passagem.

Atila S. Guimarães selecionou trechos dessas palestras e conversas a partir das transcrições das fitas e de suas anotações pessoais. Ele traduziu e adaptou-os em artigos para o site da TIA. Nestes textos, a fidelidade às ideias e palavras originais é mantida o máximo possível.

burbtn.gif - 43 Bytes


Tópicos relacionados de interesse


burbtn.gif - 43 Bytes   Uma Sociedade participativa

burbtn.gif - 43 Bytes   Como as Sociedades Intermediárias Participam no Poder do Estado

burbtn.gif - 43 Bytes   As sociedades perfeitas: Igreja e Estado

burbtn.gif - 43 Bytes    A Formação Orgânica de uma Região

burbtn.gif - 43 Bytes   Todas as Classes deveriam ter Elites

burbtn.gif - 43 Bytes   O Caráter Imaculado da Igreja Católica

burbtn.gif - 43 Bytes   Igreja - Relações do Estado


burbtn.gif - 43 Bytes


Trabalhos relacionados de interesse


A_civility.gif - 33439 Bytes
A_courtesy.gif - 29910 Bytes

A_family.gif - 22354 Bytes




Sociedade Orgânica  |  Sócio-política  |  Início  |  Livros  |  CDs  |  Procurar  |  Contacte-nos  |  Doar

Tradition in Action
© 2018-    Tradition in Action do Brasil   Todos os Direitos Reservados