Sim, por favor
Não, obrigado

Devoções Especiais

donate Books CDs HOME updates search contact

O Sagrado Coração de Jesus: Símbolo de
Combatividade e Restauração da Cristandade


Atila S. Guimarães e Marian T. Horvat

O vínculo de amizade entre a Sabedoria Eterna e o homem é tão próximo que é incompreensível, nos diz São Luís de Montfort. Desde o momento em que a Sabedoria Divina assumiu uma natureza humana e morreu para redimir o homem, ele “é amado pela Sabedoria Divina como um irmão, um amigo, um discípulo, um aluno. O homem é o preço do seu sangue e o co-herdeiro do seu reino.” (1)
A devotional statue to Our Lord
Em um mundo que fugiu da sabedoria da Palavra, essa amizade que buscamos com Nosso Senhor Jesus Cristo pode parecer difícil de alcançar - ou até de acreditar. Na sociedade atual, cheia de estresse, dominada por dólares e com escassez de tempo, facilmente ficar sobrecarregado com nossos assuntos diários e relacionamentos humanos tumultuados.

Paradoxalmente, Nosso Senhor decidiu dar-lhe uma eterna intimidade suprema e amorosa, não quando toda a sociedade foi ordenada por Sua Lei na Idade Média, mas em um momento histórico em que o coração do homem, influenciado pelo racionalismo e pela visão cartesiana do mundo, estava ficando frio e distante.

Em meados do século 17, Nosso Senhor apareceu a uma simples freira de 24 anos da Ordem da Visitação de Nossa Senhora em Paray-le-Monial. “Eis este coração que tanto amava os homens,” Ele disse, e através de Santa Margarida Maria Alacoque, convidou o mundo inteiro a retornar a essa intimidade e amizade divinas por meio da devoção ao Seu Sagrado Coração.

É uma mensagem de misericórdia e amor. Mas é muito mais. Neste momento da história, é interessante olhar mais de perto os convites do Sagrado Coração para o homem. Pois nesta mensagem há toda uma visão mundial da história, uma reiteração dos ensinamentos sociais da Igreja, um chamado à Militância Católica, uma rejeição ao Jansenismo, uma afirmação da bondade da abundância e coerência da supérflua e uma convite para se tornar os Apóstolos dos Últimos Tempos.

Plano de devoção ao Coração de Jesus no curso da História

Adão, rei da criação, feito do “limo da terra e tendo recebido o sopro da vida de Deus,” era uma imagem e semelhança digna do Criador. (Gên. 2: 7) Para que ele pudesse ter um companheiro no paraíso terrestre, Deus lhe deu uma esposa. Deus comunicou a Adão um sono profundo misterioso, e enquanto Adão dormia, ele pegou uma das costelas perto de seu coração e fez Eva. (Gênesis 2: 21-22).

Portanto, enquanto o homem procede do limo da terra, a mulher procede de certa maneira a partir do coração do homem. Se o primeiro foi criado fora do Paraíso e foi introduzido como um privilégio nele, o segundo, Eva, nasceu no Paraíso, tendo como matéria principal o que o homem tinha dos mais nobres, algo próximo ao seu coração. É por isso que a mulher é mais refinada e frágil que o homem. E o homem, feito fora do Paraíso, é mais áspero e mais forte por natureza.

Se Adão tivesse governado a Criação de acordo com o plano de Deus, Eva teria sido sua companheira em intimidade e lhe dado repouso. A partir disso, pode-se entender a afirmação de São Paulo (tão odiada e incompreendida pelas feministas) que o homem “é a imagem e a glória de Deus; mas a mulher é a glória do homem. Pois o homem não é da mulher, mas a mulher do homem." (1.Cor. 11: 7-8) Esse foi o primeiro rascunho do plano que Deus tinha para o primeiro casal e depois para toda a humanidade.

Depois que o homem pecou, esse plano ficou perturbado. Do rei e da rainha de toda a criação, os dois se sujeitaram de várias maneiras à terra: "Com trabalho e fadiga comerás dela todos os dias da tua vida." O homem foi sentenciado a ganhar o pão pelo suor da testa, e a mulher a dar à luz filhos na dor. (Gên. 3: 16-19) Essas foram as sentenças de punição que Adão e Eva causaram a si mesmos e a toda sua descendência. Não mais a glória da amizade de Deus, o reino sobre um paraíso dócil e obediente, mas uma criação hostil voltada contra o homem, e dentro de si um obscurecimento da luz da graça, a turvação da inteligência, a revolta da vontade, e o desencadeamento das sensibilidades. Este foi o castigo pela desobediência do homem a Deus. Em resumo, a regência da graça sobre a natureza e a fácil predominância do espírito sobre a matéria foram perdidas.

Nosso Senhor Jesus Cristo veio para resgatar esse pecado e aliviar o sofrimento. Em um segundo “sono profundo” metafórico, no sono misterioso da Cruz, Deus tirou do Coração aberto do Segundo Adão aquele cônjuge perfeito - a Igreja, que seria para Ele a concentração de todos os Seus refinamentos, a alegria de Seus intimidade e o companheiro perfeito para Seu descanso: Sua glória nesta terra. Do lado sagrado de Cristo, nasceria a Santa Igreja Católica, cônjuge místico do Salvador. A água e o sangue que fluíam do Seu Sagrado Coração lavariam os olhos dos pecadores, abririam as mentes dos homens à luz divina e, caindo no chão, batizariam a terra que até então estava na posse do "príncipe deste mundo." Esse sangue e essa água dariam origem a um rio, o rio de sacramentos de onde vêm todas as graças.

A História da Redenção é a história da dificuldade do homem em vencer as consequências do pecado e adaptar-se aos desejos de Deus. Mesmo diante da fraqueza do homem, o Segundo Adão não abandonou os homens que veio salvar. Vendo sua vacilação, sua inconstância, sua ingratidão, Ele ofereceu uma solução para essa fraqueza, um estímulo para a luta. Ele veio para abrir ao mundo uma nova e surpreendente porta para a perfeição. Quando a Sabedoria Divina se tornou Homem, a fim de atrair o coração dos homens para amá-lo e imitá-Lo, ele agora veio trazer Seu Sagrado Coração para os homens. E o Seu Coração, que, no início da História da Redenção, formou a Esposa Mística de Cristo, agora, nos últimos tempos, vem dar-lhe alívio, preparar-se para o apogeu e glorificação da Igreja.

O Coração de Jesus: uma devoção aristocrática que
visa a restauração da Cristandade


Nas revelações de Nosso Senhor a Santa Margarida Maria Alacoque (1647-1690), há pedidos claros de que a devoção ao Seu Sagrado Coração deve começar com o Rei Luís XIV e Tribunal Francês, e de lá se estendem ao resto dos reinos da Cristandade e do mundo inteiro. Em uma carta da Santa a sua superiora em 1689, ela declarou que o Sagrado Coração tinha “desígnios ainda maiores” do que o primeiro desígnio de ser louvado e conhecido por almas individuais. Ela escreveu:

“Ele deseja, então, parece-me,” ela escreveu, “entrar com pompa e magnificência nos palácios dos Reis e Príncipes, para ser honrado tanto quanto Ele foi desprezado, humilhado e indignado em Sua Paixão." (2)

Ela disse que Nosso Senhor queria receber "a consagração e homenagem do Rei e de toda a sua corte." Foi sobre o coração do próprio Rei que o Sagrado Coração desejou triunfar e, então, "por sua mediação sobre os dos grandes do mundo." (3)

É difícil imaginar um plano mais eficaz para espalhar a devoção ao Coração de Jesus em todo o mundo. O brilho do reino e a pessoa de Luís XIV (1638-1715) estavam no seu apogeu. Poucas épocas da história viram uma personalidade tão forte e penetrante quanto a do Rei Sol, cujos raios e influência penetraram em todas as cortes da Europa. Politicamente falando, Luís XIV brilhou de maneira extraordinária. Mas nos domínios social e cultural, este Rei marcou seu século como nenhum outro.

Louis XIV seated amidst his nobles

Nosso Senhor queria que Luís XIV usasse seu prestígio para tornar o Sagrado Coração conhecido em todo o mundo

Entre os outros monarcas Europeus, ele se destacou e sua corte e costumes foram imitados em todos os lugares. Outros olhavam, admiravam, copiavam: seus palácios eram inspirados no modelo de Versalhes. As cerimônias, roupas, móveis, obras de arte, música, dança e jardins mais elegantes e admirados foram os da corte Francesa. Se havia um homem solteiro em uma época que ditava o tom para toda a Europa, essa época era o Grand Siècle, no século 17, e esse homem era Luís XIV, o Rei Sol. Naquela época, a França, nas palavras de lorde Macaulay, tinha "sobre os países vizinhos a ascensão ... que a Grécia tinha sobre Roma." (4)

Nosso Senhor não poderia ter projetado e escolhido um instrumento mais brilhante e eficiente na esfera secular para espalhar a devoção ao Seu Sagrado Coração do que pedir ao Rei da França para ajudá-lo a crescer e se expandir em todo o mundo. Nosso Senhor desejou, dessa maneira, mover o reino da França e, em seguida, "todos os grandes homens da terra," para que fosse adorado "nos palácios dos príncipes e dos reis." Esse era, portanto, o desejo de uma devoção que permeasse os ambientes mais reais e aristocráticos, bem como a mais humilde das famílias camponesas. Assim se espalharia por todo o corpo social.

Este é um princípio que parece ser esquecido em nossa era igualitária. Muitas vezes, a devoção ao Sagrado Coração, quando é permitida ou fomentada, só é incentivada para indivíduos ou famílias. Existe uma real e sincera devoção que se desenvolveu em torno das promessas feitas aos indivíduos que fazem as comunhões reparadoras nas Primeiras Sextas-feiras e que fazem a solene entronização do Sagrado Coração nas casas de família. Mas esse ainda não é o ideal solicitado por Nosso Senhor Jesus Cristo, que como Mestre das partes do corpo social, isto é, indivíduos, famílias e até instituições, deve evidentemente também ser Mestre de toda a sociedade humana.

Todas as nações também são obra de Deus e pertencem a Ele, e, portanto, Cristo é seu Mestre, Senhor e Rei. O Coração de Jesus quer reinar no próprio coração das nações, e em primeiro lugar aqueles que os governam e os representam, que devem reconhecer esse domínio e se submeter a ele. Essa submissão deve ser mais do amor do que de um senso de dever, não tanto porque Cristo tem o direito de exigi-lo dos governantes, como porque eles desejam se submeter ao Seu amor.

O grito de Nosso Senhor a Santa Margarida Maria “Eis que este coração que amou os homens não poupou nada, chegando ao ponto de esgotar-se e consumir-se para provar a eles seu amor” é um chamado de conversão não apenas aos homens ou famílias, mas também para as nações. De certa forma, foi a restauração da Cristandade que estava sendo colocada ao alcance do Rei e da nobreza da França. O plano de Nosso Senhor era tocar todas as nações e todas as classes sociais, começando com a França, Primeira Filha da Igreja. Assim, o Sagrado Coração seria a pedra angular de uma nova Cristandade.

O Sagrado Coração e a luta armada em defesa da Fé

O Sagrado Coração revelou a Santa Margarida Maria Alacoque que Ele queria que Seu Sagrado Coração “reinasse no palácio do Rei, fosse pintado em seus estandartes e gravado em suas brasões, a fim de torná-lo vitorioso sobre todos os seus inimigos.” (5) Em uma carta posterior a sua Madre Superiora, a Irmã Margarida Maria revelou que o Divino Coração desejava “ser o protetor e defensor de sua pessoa sagrada [Louis XIV] contra todos os seus inimigos visíveis e invisíveis. Por meio dessa devoção, Ele quer defendê-lo e garantir sua salvação. ... Ele fará todos os seus empreendimentos redundarem em Sua glória, concedendo feliz sucesso a seus exércitos.”

Nosso Senhor não hesitou em pedir que o símbolo de Seu grande amor pelo homem fosse pintado nos brasões dos guerreiros Católicos. Isso é bem diferente de vários eclesiásticos ecumênicos de hoje que nunca se cansam de pedir perdão aos inimigos da Igreja pelo uso de armas Católicas em defesa da Fé. Como eles explicariam que Nosso Senhor chegou ao ponto de garantir Sua participação nas batalhas que o Rei da França deveria travar nas guerras religiosas da época e solicitar que Seu Coração fosse pintado nos brasões? Ele prometeu a vitória a esses guerreiros Católicos, oferecendo seu Coração como apoio, como um general que traz para suas tropas uma nova arma estratégica invencível.

Infelizmente, Luís XIV não atendeu aos pedidos de Nosso Senhor. Ainda outros fizeram. Esses eram os Chouans, os gloriosos camponeses da Vendéia e da Bretanha que se levantaram contra a Revolução Francesa em 1793 para lutar pela restauração da Monarquia. Pintaram nos brasões o Sagrado Coração de Jesus e no corpo ostentavam o emblema do Sagrado Coração, popularizado por São João Eudes. Da mesma forma, os Carlistas com suas boinas vermelhas e o grito de guerra de "Viva Cristo Rei" na Guerra Civil Espanhola da década de 1930 colocam o emblema do Sagrado Coração em seus rifles, revólveres, armas pesadas e até em seus tanques.

Talvez um dos exemplos mais emocionantes de como Nosso Senhor desejava trabalhar com um homem para conquistar uma nação para o Seu Coração Amoroso é o caso de Gabriel Garcia Moreno, Presidente do Equador martirizado pelos Maçons em 1875 do lado de fora da catedral onde ele acabara de receber a Comunhão da primeira Sexta-feira. Dois anos antes disso, o Presidente desta República fez uma consagração pública do Equador ao Sagrado Coração de Jesus e promulgou uma lei única no processo legislativo nacional:

Our Lord's and His Sacred Heart

O Equador foi consagrado ao Sagrado Coração de Jesus pelo Presidente Garcia Moreno. Imagem revelada na Consagração

“Art. 1: A República do Equador se consagra ao Sagrado Coração de Jesus, proclamando-o como Patrono e Protetor.

"Art. 2: A festa do mesmo Sagrado Coração de Jesus é prescrita como um feriado civil de primeira classe, a ser observado em todas as catedrais desta República pelos prelados diocesanos com todas as cerimônias possíveis.”

As palavras moribundas deste magnífico estadista Católico foram “Coragem! Deus nunca morre! (6)

Atualmente, existe uma tendência a enfatizar a bondade, a gentileza e a piedade do Magnífico Coração de Jesus, que certamente se comove com a fraqueza e a angústia daqueles a quem Ele ama. Mas o bom pastor também é um herói e um guerreiro; e Seu amor é essencialmente um tipo de amor contencioso. O coração de Cristo deseja vencer uma batalha. Como ele disse no Evangelho, ele não veio para trazer a paz à terra, mas a espada.

Quão admirável é esse mandamento de Nosso Senhor de ter Seu Sagrado Coração pintado nos estandartes Franceses. Vale ressaltar que, nesta época, o uso de bandeiras nacionais ainda não era o costume geral. Mas, desde a mais tenra idade, a França sempre teve um padrão sagrado com as três fleurs-de-lis, que ficava no santuário de Saint Denis e foi trazido à tona em horas de perigo ou guerra santa. Simbolizava a alma Católica da França e flutuava como uma oração sagrada entre as bandeiras da nação.

De acordo com uma bela tradição, antes de uma batalha crucial contra os ferozes Allemani em 496, o Rei Clovis dos Francos apelou ao "Deus de Clotilde." (Santa Clotilde, sua esposa, uma princesa da Borgonha instrumental em sua conversão.) Ele implorou proteção para a batalha pela frente e, se vencesse, prometeu se converter à Fé Católica. Durante um momento muito difícil do combate, o símbolo do Rei dos Francos, uma bandeira com três sapos, milagrosamente se transformou em outra com as três fleurs-de-lis. A partir de então, a flor de lis era o símbolo principal dos Reis da França.

É interessante imaginar os resultados fortuitos da adição do Sagrado Coração às delicadas três fleurs-de-lis. Os franceses, certamente desprovidos de bom gosto, nem de um senso refinado de estética, estariam naturalmente dispostos a assumir esse comando de Nosso Senhor e prestar as mais magníficas expressões do espírito Católico. Infelizmente, não foi isso que aconteceu. As palavras de Santa Margarida Maria em 1689 não foram ouvidas e, um século depois, surgiu a tempestade que varreu as monarquias Francesas e, com ela, outras monarquias.

O Sagrado Coração e a glorificação do supérfluo

No ambiente religioso dos tempos em que Nosso Senhor escolheu fazer suas revelações a Santa Margarida Maria Alacoque, em meados do século 17, a influência do Jansenismo foi forte nos meios religiosos e intelectuais. Os adeptos do Jansenismo enfatizavam a justiça e a severidade de Deus, com pouca ênfase em sua vontade de perdoar ou em sua misericórdia divina.

A doutrina Jansenista nasceu de um espírito de orgulho e auto-suficiência. Sugeria que o homem não poderia receber nada de Deus sem antes o merecer moral ou intelectualmente. Foi uma tentativa de aproveitar a infinita generosidade de Deus aos pequenos limites da justiça e da reciprocidade dentro dos limites finitos da compreensão do homem.

Nosso Senhor deu o presente de Seu Sagrado Coração ao mundo para combater esse espírito severo e puritano que sobreviveu até nossos dias. No Sagrado Coração de Jesus, o homem encontra perdão para o passado, paz para o presente, esperança para o futuro. A misericórdia deste Coração, a fonte de todas as águas vivas, é tão abundante que, mesmo nas situações morais mais irreversíveis e sem esperança, o homem pode encontrar nesta devoção uma possibilidade de perdão e um retorno completo à vida da graça e paz.

Assim, Nosso Senhor queria que a humanidade conhecesse Seu excedente de misericórdia, um tipo de luxo que supera a economia comum da graça. Um espírito infectado com tendências socialistas poderia ver nesse excesso de misericórdia uma dissipação ou excesso, se não uma injustiça. É o mesmo tipo de objeção que ele teria diante do supérfluo, do magnífico e do maravilhoso na sociedade secular. Olhando para um castelo magnífico, um sinal externo e visível de grandeza e transcendência, ele só pôde reagir com indignação: “Mas isso é um desperdício. É uma injustiça existir um edifício assim quando há pessoas famintas em cabanas miseráveis.” Tais objeções são fáceis de responder para o homem com um espírito Católico e hierárquico.

Em Cristo estava a abundância da graça: "E de Sua plenitude todos nós recebemos, e graça por graça." (João 1:16) Ele mereceu todas as graças por nós, e as graças pelas quais nossas almas são santificadas chegam até nós e fluem da plenitude da graça de Cristo. Nosso Senhor, tão extraordinariamente rico e tão desejoso da salvação do homem, permitiu que Sua munificência brilhasse na multidão de devoções, orações, pompas e cerimônias de Sua Igreja. Ele desejava estabelecer essa devoção ao Sagrado Coração como mais um benefício e auxílio para o homem alcançar a salvação. É uma manifestação de superabundância, superabundância bastante adequada à Sua Natureza. Assim, a devoção ao Seu Sagrado Coração pode ser interpretada como uma legitimação e até a glorificação do supérfluo.

O Sagrado Coração e os Apóstolos dos Últimos Tempos:
Confiança ilimitada e desejos ilimitados


São João, o amado Apóstolo do Coração de Jesus, apareceu no século 13 a uma das primeiras devotas do Sagrado Coração, Santa Gertrudes, a Grande. Ele a convidou a descansar a cabeça ao lado da dele no Coração de Jesus. "Por que disse tão pouco dos segredos amorosos do Coração de Jesus?" Ela perguntou a ele. Ele respondeu: “Meu ministério naqueles primeiros tempos da Igreja se limitava a falar do Verbo Divino, o eterno Filho do Pai, algumas palavras de profundo significado sobre as quais a inteligência humana poderia meditar para sempre, sem esgotar suas riquezas. Mas a estes últimos tempos estava reservada a graça de ouvir a voz eloquente do Coração de Jesus. Com essa voz, o mundo desgastado pelo tempo renovará sua juventude, será despertado de sua letargia e novamente inflamado com o calor do amor Divino.”

A chave do Sagrado Coração foi dada por Nosso Senhor a Santa Gertrudes: que tudo pode ser conquistado com confiança ilimitada e desejos ilimitados. Ela entendeu que a confiança é a chave que abre os tesouros da infinita misericórdia de Deus. Somente para sua confiança, ela atribuiu todos os presentes que recebeu. O próprio Senhor disse a ela: “Somente a confiança obtém facilmente todas as coisas.” Uma vez, quando Santa Gertrudes ficou perturbada com a tentação, implorou assistência divina. Nosso Senhor a confortou com estas palavras:

“Quem sofre de tentações humanas, que foge para Minha proteção com firme confiança, pertence àqueles de quem posso dizer: 'Uma é a minha pomba, a minha escolhida dentre milhares, que perfurou Meu Coração com um olhar de seus olhos.' E essa confiança fere Meu Coração tão profundamente que, se eu não conseguisse aliviar uma alma assim, causaria ao meu Coração uma tristeza que todas as alegrias do Céu não poderiam amenizar ... A confiança é a flecha que perfura Meu Coração, e causa tanta violência ao Meu amor que Eu nunca posso abandoná-la.”

De mãos dadas com confiança Nosso Senhor deseja que nos tornemos homens e mulheres de grande desejo - um desejo ilimitado pela glória do Sagrado Coração de Jesus e Maria. Santa Gertrudes ensinou o grande segredo de nossos tempos: que Nosso Senhor "aceita a vontade da ação." “A boa vontade em empreender um trabalho para cumprir o Meu desejo, apesar da dificuldade encontrada, é muito agradável para Mim, e aceito a boa vontade pelo ato. Mesmo que ele seja incapaz de ter sucesso, eu o recompensarei como se ele tivesse conseguido,” revelou-lhe Nosso Senhor.

Our Lord beckons us to venerate His Sacred Heart

Com o Sagrado Coração, tudo pode ser conquistado com uma confiança ilimitada e desejos ilimitados

Nosso Senhor realizou os desejos de Seus amigos na proporção de sua seriedade e intensidade. Ele aceita os desejos de seus amigos como se eles fossem realizados. Esta é a chave para os últimos dias, quando os homens, enfraquecidos pelo pecado e sobrecarregados com os problemas e o caos que os confrontam de todas as direções, se sentem incapazes de uma ação proporcional à necessidade.

Outra devota do Sagrado Coração, a grande Santa Catarina de Siena, proferiu estas palavras proféticas, talvez em antecipação aos nossos dias: “Ó meu Deus, como poderá, nestes tempos infelizes, suprir as necessidades de Tua Igreja? Eu sei o que Tu farás. Teu amor suscitará homens de desejos. Suas obras finitas, unidas a desejos infinitos, farão a Ti ouvir suas orações pela salvação do mundo.”

As graças que foram derramadas sobre a Igreja e o mundo no século 17 com as aparições de Nosso Senhor a Santa Margarida Maria Alacoque, para difundir a devoção ao Sagrado Coração, estabeleceram uma nova intimidade entre os homens e Jesus Cristo, cujo prazer é mais para ser com os filhos dos homens do que governar os serafins. Essa nova economia da graça certamente procurou tornar possível uma profunda - e fácil - intimidade com Nosso Senhor. Um amor a Deus até então desconhecido traz como consequência uma combatividade até então desconhecida contra os inimigos da Igreja de Cristo. É uma relação recíproca indispensável.

Assim, essa devoção foi dada à Igreja para ajudar a formar aqueles guerreiros indomáveis que virão para enfrentar o Anticristo e seus seguidores. Estes serão os Apóstolos dos Últimos Tempos, descritos por São Luís Grignion de Montfort:

“Em uma palavra, sabemos que eles serão verdadeiros discípulos de Jesus Cristo, seguindo Seus passos de pobreza, humildade, desprezo pelo mundo, caridade, ensinando o caminho estreito de Deus em pura verdade, segundo o santo Evangelho, e não de acordo com as máximas do mundo; removido de qualquer preocupação humana, sem apego a ninguém; poupando, temendo e ouvindo nenhum mortal, por mais influente que ele possa ser. Eles terão na boca a espada de dois gumes da Palavra de Deus. Eles exibirão nos ombros o estandarte sangrento da Cruz, o Crucifixo na mão direita e o Rosário na esquerda, os sagrados Nomes de Jesus e Maria em seus corações, e a modéstia e mortificação de Jesus Cristo em seu próprio comportamento.

“Estes são os grandes homens que estão por vir; mas Maria é quem, por ordem do Altíssimo, os modelará com o objetivo de estender Seu império sobre o dos ímpios, dos idólatras e dos Muçulmanos. Mas quando e como será isso? Só Deus sabe.

O Sagrado Coração de Jesus quer inspirar os corações dos homens de nossos dias com uma grande combatividade e um grande desejo de realizar as ações das quais parece que nem somos capazes. Estes serão os filhos e as filhas da Bem-aventurada Maria: foi do Seu Imaculado Coração que Cristo atraiu Sua humanidade. Seu coração começou sua primeira pulsação dentro dos castos recintos do ventre virginal de Maria. Nenhum coração humano estará mais intimamente sintonizado com o Coração do Deus-Homem do que era e é o de Sua Mãe. E assim como as orações e desejos de Maria apressaram a vinda de Nosso Senhor, também as orações e desejos dos justos, ao encurtar os dias da tribulação, apressarão o triunfo da Igreja.
1. São Luís de Montfort, O Amor da Sabedoria Eterna (Bayshore, NY: Montfort Publications,1960), p. 31.
2. Emile Bougard, A vida de Santa Margarida Maria Alacoque (Rockford: TAN, 1990), p. 268.
3. Ibid., p. 269
4. Nancy Mitford, O Rei Sol (New York: Crescent Books, 1966), p. 32.
5. Bougard, A Vida de Santa Margarida Maria, p. 269.
6. Arthur R. McGratty, S.J., O Sagrado Coração: Ontem e Hoje, NY: Benzinger Bros., 1951, pp. 202-3
Postado em 18 de junho de 2020


burbtn.gif - 43 Bytes


Tópicos relacionados de interesse


burbtn.gif - 43 Bytes   Santa Margarida Maria Alacoque

burbtn.gif - 43 Bytes   As Doze Promessas do Sagrado Coração

burbtn.gif - 43 Bytes   Fátima e o Remédio dos Últimos Tempos

burbtn.gif - 43 Bytes    Ligação entre Nossa Senhora de Fátima e Nossa Senhora do Monte Carmelo

burbtn.gif - 43 Bytes   Nossa Senhora do Rosário

burbtn.gif - 43 Bytes   Nossa Senhora de Fátima e a Mensagem Secreta


burbtn.gif - 43 Bytes


Devoções Especiais  |  Religioso  |  Início  |  Livros |  CDs  |  Procurar  |  Contacte-nos  |  Doar

Tradition in Action
© 2018-   Tradition in Action do Brasil    Todos os Direitos Reservados