Sim, por favor
Não, obrigado

Sociedade Orgânica

donate Books CDs HOME updates search contact

Oligarquias nas Democracias Modernas

Plinio Corrêa de Oliveira

Desde 1789, ano que marca a Revolução Francesa, a influência do Estado nos governos revolucionários têm aumentado, fazendo com que cada vez mais indivíduos caiam sob o domínio de um Estado que tudo faz. Até passou a controlar atividades culturais como música, teatro, arte e gastronomia sob o pretexto de subsidiar projetos dignos. Como o Estado tem recursos financeiros aparentemente infinitos, ele pode oferecer assistência financeira com mais facilidade do que qualquer outra pessoa. Por exemplo, pode promover uma determinada escola de pintura de forma a colocar outros artistas semelhantes fora da competição. O mesmo acontece com muitos outros campos de atividade.

Desta forma, o Estado assume cada vez mais o papel de maestro de uma orquestra, onde cada pessoa nada mais é do que um simples músico executando o que lhe é ordenado. Ou seja, existe uma ditadura velada do Estado sob a aparência de democracia. Os chefes de Estado são eleitos em eleições supostamente livres e secretas. Com base nessas suposições, afirma-se que os eleitos são verdadeiramente os representantes do povo e que é o povo que está no comando. Este é o fundamento da democracia: o povo é soberano.

Eu acredito que esta tese não é precisa.

Quem tem os ouvidos do povo soberano?

Suponho que as eleições sejam realmente representativas do povo - uma tese aberta à discussão. Nesse caso, as autoridades eleitas representariam verdadeiramente o povo, e o povo seria o rei, o soberano.

Philip II Council

Rei Filipe II recebe o conselho dos Arquitetos Reais
Em uma monarquia, o poder era exercido não só pelo rei, mas também por aqueles que “tinham os ouvidos” do rei, como era o costume. Esses eram aqueles a quem o rei consultaria antes de tomar uma decisão. Deram-lhe relatórios, novas informações, conselhos, etc. Portanto, era por meio deles que o rei via, ouvia e falava. Assim foi dito que eles eram os olhos, ouvidos e boca do rei. Agora, como isso se aplica ao povo soberano?

Quem tem os ouvidos deste rei? É a mídia. Acho perfeitamente ridículo dizer que todos os cidadãos têm um voto de igual valor quando o dono de um grande jornal publica mais de um milhão de exemplares por dia, e os outros cidadãos são simples indivíduos. Na verdade, os ouvidos do povo-soberano estão nas mãos dos donos dos jornais, das emissoras de rádio e televisão e de outros meios de comunicação social. Um homem que publica um artigo que é lido por um milhão de leitores obviamente tem muito mais influência do que uma pessoa com um círculo de dez amigos ou familiares que ele influencia. Dizer que este homem simples decide igualmente sobre o futuro de seu país como dono de um grande jornal ou de uma rede de emissoras de televisão é uma piada.

Os verdadeiros aristocratas - ou melhor, oligarcas, já que a oligarquia é a corrupção e a caricatura da aristocracia - são os donos desses meios de comunicação social.

media moguls

Por trás dos magnatas da mídia moderna estão os bancos e a Revolução
Porém, como os jornais, a televisão e o rádio dependem em grande medida dos bancos, vemos que na verdade são os banqueiros que dirigem as pessoas. Os grandes jornais, mesmo os mais bem organizados, precisam do apoio de um banco para funcionar. Caso contrário, uma crise causada por aumentos salariais ou custos inesperados de papel, máquinas, aparelhos eletrônicos, etc. podem levar a empresa à beira da falência. Portanto, os banqueiros realmente têm a última palavra sobre o que será ou não dito ao povo soberano.

Sendo assim, vemos que na realidade não existe democracia. Vivemos em uma oligarquia dominada pelo dinheiro e pelos que comandam o dinheiro. Essa é a realidade.

Quem controla a opinião pública pode orientá-la desta ou daquela maneira, a seu critério, como um motorista de carro. O motorista de automóvel precisa conhecer as regras básicas de trânsito para evitar acidentes; o mesmo acontece com os líderes da opinião pública. Eles precisam evitar acidentes na estrada que decidem tomar, e isso é tudo. Sim, os donos dos meios de comunicação controlam as pessoas a seu critério, mas se eles não seguirem as linhas da Revolução, os banqueiros não lhes emprestarão dinheiro quando precisarem. Portanto, em última análise, é a Revolução que controla a opinião pública.

O que a Revolução pretende fazer é mudar gradativamente a mentalidade de um povo, fazendo-o passar de uma forma de ver as coisas para outra completamente diferente.

A imposição artificial da arte moderna

Vou dar um exemplo no campo da arte. Como a arte moderna passou a ser aceita e até mesmo admirada?

Las Meninas, Velasquez

Em Las Meninas, Velasquez apresenta
o ambiente nobre de um palácio real Madrilenho
Os senhores podem tirar duas gravuras com o mesmo nome pintadas por dois artistas Espanhóis diferentes: Las Meninas [As Meninas] (1656) de Velásquez e Las Meninas de Picasso (1957).

Quando analisamos a obra de Velásquez, admiramos seu esforço em retratar a realidade como ela era, vista sob uma luz favorável. Las Meninas mostra uma grande sala no palácio de Madrid do Rei Filipe IV da Espanha e apresenta a jovem Infanta Margarita rodeada por suas damas de honra e acompanhantes, um guarda-costas, dois anões e um cão. Atrás deles, Velázquez se retrata usando a cruz vermelha da Ordem de Santiago e trabalhando em uma grande tela.

Veem que a arte na imagem de Velásquez reflete a realidade por meio de um prisma nobre. A pintura constitui um esforço para perpetuar objetivamente a memória da nobre princesa e sua comitiva, bem como para deixar uma imagem digna de si mesmo para a história.

Existe uma preocupação geral com proporção, ordem, beleza e requinte. Essa foto atrai legitimamente nossa atenção como um agradável documento daquela época e desperta nossa curiosidade por saber quem foram esses personagens.

Agora, olhe para o trabalho de Picasso. Ele não tinha outro objetivo a não ser desfigurar o retrato de Velásquez. Ele tirou a mesma foto do mestre Espanhol e distorceu-a o máximo que pôde. Sua ação foi a de um homem revoltado que odeia a ordem na antiga casa de sua família, então ele entra nela e a destrói tanto quanto pode.

Las meninas, Picasso

Picasso distorce o trabalho de Velasquez tanto quanto pode
A imagem de Picasso é a expressão adequada do comunista que ele era. Como comunista, ele queria ver todos os aspectos da velha ordem distorcidos, senão completamente aniquilados.

Mesmo sem saber que uma imagem é uma distorção de outra, como é possível para um homem normal ter alguma admiração pela pintura de Picasso? As figuras estão deformadas ou quebradas; elas se parecem mais com monstros do que com seres humanos. Não há nada culturalmente redentor na obra que possa oferecer formação à mente de um espectador desinformado. Quem a vê tem a impressão de que foi concebida por um doente mental. Eu acredito que não há arte neste trabalho.

Agora, como aconteceu que Picasso se tornou um chefão da arte moderna, um dos mais populares artistas contemporâneos? Realmente não acredito que isso tenha ocorrido porque sua arte é atraente - seria assim apenas para um pequeno grupo de comunistas revoltados, mas não para o grande público.

Acho que Picasso ficou famoso por causa da promoção da Revolução, que quer acostumar as pessoas ao horrível. Vimos décadas de propaganda constante na mídia promovendo suas pinturas. Vimos suas obras sendo compradas em leilões internacionais por bancos e museus de todo o mundo por preços exorbitantes. O resultado é que hoje a caricatura de Las Meninas Picasso tem uma fama igual ou talvez maior do que a obra-prima de Velásquez.

Quando considero essas duas pinturas, penso que a escolha entre Velásquez e Picasso de alguma forma repete a escolha entre Nosso Senhor Jesus Cristo e Barrabás. Por trás da escolha por Picasso está uma promoção artificial feita pelos oligarcas de nosso tempo, assim como por trás da escolha por Barrabás estavam os promotores do mal daquela época.

Postado em 26 de julho de 2021

Tradition in Action

Dr. Plinio Correa de Oliveira
Prof. Plinio
Sociedade Orgânica foi um tema caro ao falecido Prof. Plinio Corrêa de Oliveira. Ele abordou este tema em inúmeras ocasiões durante a sua vida - às vezes em palestras para a formação de seus discípulos, às vezes em reuniões com amigos que se reuniram para estudar os aspectos sociais e história da cristandade, às vezes apenas de passagem.

Atila S. Guimarães selecionou trechos dessas palestras e conversas a partir das transcrições das fitas e de suas anotações pessoais. Ele traduziu e adaptou-os em artigos para o site da TIA. Nestes textos, a fidelidade às ideias e palavras originais é mantida o máximo possível.

burbtn.gif - 43 Bytes


Tópicos relacionados de interesse


burbtn.gif - 43 Bytes   Restaurando uma economia fechada

burbtn.gif - 43 Bytes   'Jesus 2000' - Um Novo Modelo Ideal

burbtn.gif - 43 Bytes   Dois pólos opostos da Sociedade: prestígio e dinheiro

burbtn.gif - 43 Bytes   Proporção entre a Cidade e o Homem

burbtn.gif - 43 Bytes   Crítica do Capitalismo sob uma Perspectiva Orgânica - Parte I

burbtn.gif - 43 Bytes   A Mentalidade Prejudicial de Pedir Dinheiro - Parte II

burbtn.gif - 43 Bytes   Vocações dos Povos Europeus



burbtn.gif - 43 Bytes


Trabalhos relacionados de interesse


A_tertullian.gif - 23384 Bytes
C_RCRTen_R.gif - 6810 Bytes

A_ff.gif - 33047 Bytes

C_CatWay_R.gif - 6561 Bytes
Button_Donate.gif - 6240 Bytes

C_Myth_R.gif - 6892 Bytes




Sociedade Orgânica  |  Sócio-política  |  Início  |  Livros  |  CDs  |  Procurar  |  Contacte-nos  |  Doar

Tradition in Action
© 2018-    Tradition in Action do Brasil   Todos os Direitos Reservados