Sociedade Orgânica

donate Books CDs HOME updates search contact

Admiração, fundação para o
Reino de Maria


Plinio Corrêa de Oliveira

Uma pessoa verdadeiramente católica tem um enorme apetite por admiração. Sua alegria não vem de ser admirada, mas de admirar. Quando ela vê alguém ou algo que é mais eminente do que ela é ou tem mais significado, ela se torna extremamente contente e dá graças a Deus. Quando uma pessoa é assim, sua alma se torna extraordinariamente equilibrada, harmoniosa e objetivada.

Se alguém me perguntasse: “O que devo fazer para me tornar mais inteligente?” Eu responderia: Primeiro, cada um de nós tem a quantidade de inteligência que Deus nos deu quando nos criou, e isso não podemos mudar.

Egoism

Infelizmente, a admiração sem interesse próprio é uma atitude rara hoje
Mas, segundo, nossas inteligências devem ser desenvolvidas e, com relação a isso, podemos melhorá-las bastante. Então, para aumentar sua inteligência, ofereço conselhos que vêm de minha própria experiência – não porque eu esteja fingindo ser mais ou menos inteligente que outros, mas porque sou mais velho e observei mais sobre esse assunto.

Quando um homem não gosta de admirar, mas prefere ser admirado pelos outros, ele acaba se tornando um escravo da admiração dos outros. Ele adquire o horror de fazer qualquer coisa que não lhe possa trazer o aplauso dos outros, porque se torna muito inseguro. Este homem é na verdade uma pessoa doente. Ele é como alguém que não pode andar sem que alguém o apoie; suas pernas estão fracas e seus passos se tornam inseguros. Ele está doente por causa de suas pernas fracas.

Assim também é o homem que precisa do aplauso de sua audiência para cada ação que ele empreende. Sem isso, ele não pode ficar firme em sua posição. Seu espírito não funciona bem.

Como esse homem está centrado em si mesmo, ele não vê a realidade objetivamente como é, mas apenas na medida em que facilita o culto de seu próprio ego.

Por outro lado, se um homem não está preocupado em receber a admiração dos outros, mas admira desinteressadamente o mundo externo, sua lucidez, objetividade e, consequentemente, sua serenidade aumentam.

Tourists Notre Dame

Muitas vezes os turistas visitam Notre Dame sem o espírito de admiração
Deixe-me dar-lhes um exemplo. Quando vamos à Europa, vemos aquelas hordas de turistas passando por todos os monumentos, como a Basílica de São Pedro ou a Catedral de Notre Dame, para mencionar apenas duas.

Muitas pessoas vão para a Europa apenas porque tais viagens as fazem aparecer bem diante de seus amigos. Ou talvez porque um homem estava cansado e precisava de alguma viagem para relaxar. Ele tinha que escolher entre ir pescar no interior com amigos ou viajar para a Europa. No último momento, sua esposa decidiu acompanhá-lo e, como ela não gosta de pescar, o casal acabou ligando para uma agência de turismo e desembarcando na Europa.

Quando essas pessoas viajam pela Europa, elas geralmente não admiram. Eles simplesmente aproveitam a oportunidade para comparar o que vêem em Paris ou Roma com suas próprias cidades ou países. Assim, vemos grupos de turistas rindo e brincando uns com os outros enquanto visitam os vários monumentos locais de interesse. Na verdade, a risada deles é uma expressão de desprezo por esses monumentos, seja porque acreditam que suas próprias atrações em seus países são melhores ou porque ficam ressentidas, humilhadas pela superioridade da Europa. Então eles se vingam fazendo uma piada. Essas pessoas não têm uma imagem objetiva da Europa.

Outro tipo de gente vai lá para admirar e encher suas almas com aquelas maravilhas européias do passado. Este estado de espírito não significa que a pessoa necessariamente fecha os olhos para as deficiências da Europa. A pessoa que admira as maravilhas vê também as deficiências, mas sabe como evitar que os defeitos obscureçam as boas coisas do passado. Quando volta para casa, tem uma imagem muito mais lúcida e objetiva da Europa do que os que ficaram ressentidos. Uma vez que ela não estava preocupada com ela mesma ou com seus próprios interesses, ela foi capaz de ver a realidade como ela é.

Portanto, devemos ter sede de admirar. Se encontrarmos uma qualidade ou um dom em nossos colegas mais do que temos, devemos ficar contentes e comentar com outros amigos: “Hoje percebi que X é mais inteligente do que eu. Ele fez isso e disse isso e expôs sua idéia desta maneira. Estou muito contente em perceber que brilhante colega nós temos!”

envy

Falar e criticar é mais comum entre os colegas
Mas, infelizmente, frases como essa raramente são ouvidas hoje porque a natureza humana não preza a admiração. Assim, o homem moderno se revela insensato; ele perde a melhor parte da vida que é fruto de admiração. O homem deve viver para admirar.

Mais comumente ouvimos o oposto hoje. Quando um colega da mesma idade ou ainda mais jovem ou de um nível social mais baixo diz algo que nos levaria dez anos para formular, em vez de elogiar, nós o criticamos: “Aquele homem é insuportavelmente orgulhoso!”

Por que orgulhoso? Só porque ele disse algo que eu não conseguiria dizer? Para mim, ele é um exemplo, um dom de Deus. É um presente conhecer um homem que é mais inteligente do que eu – eleva minha inteligência. Eu deveria agradecer a Deus pelo dom de ver a realidade através de seus olhos mais aguçados. Eu o deveria admirar e respeitar.

Eu vou um pouco mais longe na minha análise. Um homem dotado de uma grande capacidade de admiração é mais feliz e mais perfeito do que um homem dotado de uma grande capacidade de fazer as coisas. Essa diferença define para nós o padrão da Contra-Revolução.

Este espírito de admiração é o fundamento do Reino de Maria. Ele é feito de amor pelos nossos iguais e pelos nossos superiores e por toda a hierarquia da sociedade. Devemos tributar aos nossos superiores respeito e admiração. A alma que admira de bom grado presta esta homenagem e, depois de fazê-lo, é alegre. Este é o espírito contra-revolucionário.

O oposto deste espírito é ser ciumento e invejoso, bradar Liberté, égualité, fraternitéou seu equivalente, non serviam, o lema de Satanás.

Postado em 12 de agosto de 2019

Tradition in Action


000_Dr.Plinio02.jpg - 17885 Bytes
Prof. Plinio
Sociedade Orgânica foi um tema caro ao falecido Prof. Plinio Corrêa de Oliveira. Ele abordou este tema em inúmeras ocasiões durante a sua vida - às vezes em palestras para a formação de seus discípulos, às vezes em reuniões com amigos que se reuniram para estudar os aspectos sociais e história da cristandade, às vezes apenas de passagem.

Atila S. Guimarães selecionou trechos dessas palestras e conversas a partir das transcrições das fitas e de suas anotações pessoais. Ele traduziu e adaptou-os em artigos para o site da TIA. Nestes textos, a fidelidade às idéias e palavras originais é mantida o máximo possível.

burbtn.gif - 43 Bytes


Tópicos relacionados de interesse


burbtn.gif - 43 Bytes   O papel da admiração e do afeto na família

burbtn.gif - 43 Bytes   Um Élan para a perfeição deveria existir em todas as classes

burbtn.gif - 43 Bytes   O estado da mente que gerou a Revolução

burbtn.gif - 43 Bytes   Dois polos opostos da sociedade: prestígio e dinheiro

burbtn.gif - 43 Bytes   Igualitarismo e Vulgaridade

burbtn.gif - 43 Bytes   Um treinador australiano para a rainha

burbtn.gif - 43 Bytes   Os nobres camponeses do Vale do Roncal

burbtn.gif - 43 Bytes   O tributo das três vacas


burbtn.gif - 43 Bytes


Trabalhos relacionados de interesse


A_tertullian.gif - 23384 Bytes
C_RCRTen_R.gif - 6810 Bytes

A_ff.gif - 33047 Bytes

C_CatWay_R.gif - 6561 Bytes
Button_Donate.gif - 6240 Bytes

C_Myth_R.gif - 6892 Bytes




Sociedade Orgânica   |  Início  |  Livros  |  CDs  |  Procurar  |  Contacte-nos  |  Doar

Tradition in Action
© 2018-    Tradition in Action do Brasil   Todos os Direitos Reservados