Sim, por favor
Não, obrigado

Assuntos de Fátima
donate Books CDs HOME updates search contact

As Duas Irmãs Lúcias

Fotos e Fatos

Marian T. Horvat, Ph.D.

Fui convidada pelo Editor do site da TIA, Atila Guimarães, para escrever mais sobre a possibilidade de ter não uma, mas duas Irmãs Lúcias, questão que levantei noutro artigo. Por conta da desinformação a respeito de uma das fotos que utilizei no artigo, volto ao assunto para defender que a hipótese continua válida.

Não fazia ideia que levantar a possibilidade de ter duas Irmãs Lúcias iria desencadear a enorme controvérsia que ainda se espalha como um incêndio. Independentemente de qualquer outra conclusão, este simples fato parece mostrar quantos católicos suspeitam de tudo o que vem de cima em relação a Fátima. Para eles, Fátima não é uma história acabada, como pretendem algumas autoridades eclesiásticas. Ainda está viva, muito viva. É uma reação curiosa que noto de passagem e deixo para quem quiser analisá-la.

Esta controvérsia trouxe muitas novidades para a mesa: dados históricos que tinham sido esquecidos sobre a Irmã Lúcia, observações sobre as suas características e psicologia que enriqueceram a imagem, bem como muitas fotos que eu nunca tinha visto antes. Estou incorporando esses acréscimos de meus leitores sem citar fontes para garantir sua privacidade e permitir que eles se expressem livremente à TIA. Agradeço-lhes pelas colaborações.

Além disso, foram feitas objeções de todos os tipos. Não posso deixar de compartilhar com algum entretenimento um gênero de objeção. Quando, no meu artigo anterior, dei a minha opinião de que o primeiro conjunto de fotos mostrava duas pessoas diferentes, alguns protestaram inflexivelmente, afirmando que eu estava errado e que as pessoas nas duas primeiras fotos eram obviamente a mesma pessoa. Alguns comentários foram violentos e ofensivos – “Você deve estar drogada se está vendo duas pessoas diferentes…”

Pouco depois, a fonte de uma dessas fotos, uma revista conhecida, pediu desculpas pela legenda identificando a freira nela como Irmã Lúcia; na verdade ela não era. Os meus opositores violentos foram apanhados no meio do caminho… A sua parcialidade foi totalmente revelada com esta confusão. É verdade que muitas vezes as pessoas não querem ver a realidade diante dos seus olhos.

Mas também recebi sérias objeções, e vou respondendo aqui à medida que os assuntos vão surgindo. Novamente, não citarei as fontes. Agradeço também aos meus oponentes pelas suas contribuições.

Separei seis conjuntos de fotografias da Irmã Lúcia da coleção de fotografias que tenho reunido. Nos conjuntos de comparação, tentei encontrar posições e estados de espírito semelhantes tanto na jovem Irmã Lúcia como na mais velha, a fim de apoiar validamente esta avaliação: parecem ser pessoas diferentes.

Depois de apresentar as imagens de cada conjunto, ampliarei partes do rosto – sobrancelhas, nariz, boca e queixo – para analisar melhor as diferentes características e permitir ao leitor acompanhar meus pontos de vista, o mais próximo possível de uma análise científica. Posso fazer, sem necessidade de muita elaboração.

Tal como no meu artigo anterior, por uma questão de conveniência, chamarei a pessoa no conjunto de fotos anteriores de Irmã Lúcia I, e a pessoa mais velha, Irmã Lúcia II.

1. A ligeiramente sorridente Irmã Lúcia

Two Sister Lucy's comparison
O conjunto 1 mostra um close da Irmã Lúcia I sorrindo levemente. A foto não tem data, mas ela usa o hábito de uma irmã Doroteia e parece ter quase 30 anos. Tem no máximo 41 anos, pois nasceu em 1907 e entrou no Carmelo em 1948.

O close da Irmã Lúcia II, também ligeiramente sorridente, é uma fotografia datada de 13 de Maio de 1982, portanto ela teria 75 anos. Existem muitos pontos de diferença nas características que me indicam que estamos olhando para duas pessoas diferentes.

Two different pairs of eyes for the two sister Lucy's
• A linha natural das sobrancelhas grossas e pesadas da Irmã Lúcia I é direita (foto 1a). As sobrancelhas se estendem até a área da testa, acima do nariz, e passam pelo canto interno dos olhos.

As sobrancelhas da Irmã Lúcia II, parcialmente escondidas pelas armações escuras dos seus óculos, não são direitas, mas ligeiramente arqueadas e afiladas; o arco começa diretamente sobre o olho. Há um amplo espaço sem sobrancelhas acima do nariz, entre as duas sobrancelhas.

• Alguns leitores objetaram que as sobrancelhas ficam mais finas com a idade em algumas pessoas, o que explicaria a clara diferença entre as sobrancelhas. Não acredito que isso seja necessariamente assim. Mesmo que isso fosse admitido, sem cirurgia ou algum meio artificial, o formato das sobrancelhas não muda de linha reta para arqueada, pois o formato das sobrancelhas segue o formato da estrutura óssea da testa.

• Quanto ao foco dos olhos da Irmã Lúcia I, parecem normais com uma pequena tendência para a extropia, ou estrabismo divergente, ou seja, os olhos desviam-se ligeiramente para fora. Contudo, os olhos da Irmã Lúcia II sofrem claramente de esotropia, ou estrabismo convergente, isto é, os olhos voltam-se fortemente em direção ao nariz.

Different shape of the cheek for the smiling sister Lucy's

• Quando a Irmã Lúcia I sorri, a parte superior das suas bochechas (foto 1b) parece duas pequenas maçãs redondas.

Embora as bochechas da Irmã Lúcia II estejam parcialmente cobertas pelos seus óculos grandes, parece claro que ela não tem essas protuberâncias.

• Não encontrei nenhuma fotografia da Irmã Lúcia I, sorridente ou séria, com as narinas abertas. Eles não se inflamam naturalmente. Todas as fotos da Irmã II, porém, a mostram com as narinas dilatadas. Eles abrem naturalmente.

Different smiles of the two Sister Lucy's
• Sob as maçãs do rosto da Irmã Lúcia I há marcas de covinhas definidas (foto 1c). William Thomas Walsh menciona “as pequenas covinhas que lhe apareciam nas bochechas quando ela sorria” na sua descrição no seu conhecido livro Nossa Senhora de Fátima. (Ver nota 1)

Mas as bochechas da Irmã Lúcia II são planas e largas, sem rugas ou covinhas quando ela sorri.

• Na sua descrição da Irmã Lúcia, Walsh também nota o seu lábio superior saliente e o “inferior pesado” que pende. Os dois lábios têm larguras diferentes.

Os lábios da Irmã Lúcia II, porém, são planos, finos, firmes e de igual largura.

• Os opositores argumentaram que uma possível dentadura explicaria os diferentes dentes das duas Lúcias. Tratarei dos dentes como um tópico especial abaixo no conjunto 4. Aqui irei simplesmente discutir o efeito dos dentes nos lábios dessas duas fotos.

Se uma pessoa tem lábios grandes para cobrir dentes longos, como evidentemente a Irmã Lúcia I tinha quando era jovem, então se alguém substituísse os seus dentes longos por dentes curtos, os lábios dessa pessoa deveriam facilmente cobrir estes dentes agora muito menores. Portanto, deveríamos ter fotos de uma Irmã Lúcia mais velha, com lábios mais do que suficientes para cobrir os dentes menores. Mas acontece o contrário. Os lábios da Irmã Lúcia II normalmente não cobrem os seus dentes muito menores.

• Quando a Irmã Lúcia I sorri, as extremidades da sua boca apontam para cima. Mas quando a Irmã Lúcia II sorri, as extremidades da sua boca apontam para baixo.

Different chins of the two Sister Lucy's
• Outra característica distintiva de Lúcia quando criança, que pode ser vista em suas fotos até os 40 anos, é um músculo protuberante no meio do queixo, pronunciado o suficiente para formar uma covinha embaixo (foto 1d, veja também Conjunto 6). Mas este músculo nunca aparece nas fotos da Irmã Lúcia II.

• O queixo da Irmã Lúcia I é forte mas não saliente. Pelo contrário, o queixo da Irmã Lúcia II é proeminente. Esta última tem queixo quadrado, o que não aparece nas fotos da Irmã Lúcia I.

2. Os perfis das duas Lúcias

Different profiles of the two Sister Lucy's

A fotografia do perfil da Irmã Lúcia I foi tirada em 22 de Maio de 1946, na Capela das Aparições, em Fátima.

A Irmã Lúcia II está sentada junto ao túmulo de Francisco em Fátima, no dia 13 de Maio de 2000.

As suas cabeças estão em posições muito semelhantes, olham para a frente e ambas têm expressões de meditação ou oração.

profile differences between the two sister Lucy's

• Embora o rosto da Irmã Lúcia I esteja sombreado, o perfil do seu nariz é muito nítido. Isso se encaixa perfeitamente na descrição de Walsh, que observou que “a ponta de seu nariz arrebitado apareceu.” (Ver nota de rodapé 1)

No entanto, o nariz da Irmã Lúcia II é arredondado na ponta, apontando ligeiramente para baixo.

Os diferentes formatos dos narizes podem ser medidos pelo ângulo formado pela intercessão da linha do nariz com o espaço acima do lábio superior. Na Irmã Lúcia I o ângulo formado por estas linhas é um ângulo obtuso. Pelo contrário, o ângulo destas linhas na Irmã Lúcia II é um ângulo agudo.

• Pode-se também notar neste grande plano do perfil da Irmã Lúcia II como as sobrancelhas estão arqueadas, confirmando as observações anteriores.

chin differences between the two Sister Lucy's

• O queixo da Irmã Lúcia I, embora seja mais jovem e não tenha excesso de peso, recua acentuadamente para o pescoço, com tendência a desaparecer num queixo duplo.

No entanto, o queixo da Irmã Lúcia II, embora seja mais velho e mais pesado, projeta-se para a frente e para fora. É tão proeminente que forma uma espécie de plataforma que se estende além do nariz. Tem “formato de lanterna,” como um de meus leitores tão apropriadamente o descreveu.

3. O grande sorriso das Lúcias

Smiling and teeth differences between the two Sister Lucy's

O conjunto 3 de fotos, ambas sem data, mostra as duas Irmãs Lúcias com largos sorrisos. Já analisei estas imagens no meu artigo anterior, por isso repetirei apenas os pontos essenciais e farei algumas novas observações.

Smiling in the eyes different for each Sister Lucy

• Na foto 3a, notam-se as sobrancelhas grossas e direitas que se projetam para a frente na testa da Irmã Lúcia I. As sobrancelhas arqueadas da Irmã Lúcia II são mais claras e a testa é plana onde se encontra com as sobrancelhas.

Differences in teeth for the Sister Lucy's

• Na foto 3b, quando a Irmã Lúcia I sorri, o formato da sua boca forma um U com os bordos apontados para cima. Quando a Irmã Lúcia II sorri, os bordos dos lábios apontam para baixo na forma de um U invertido.

• Mesmo quando ela sorri largamente, o lábio inferior da Irmã Lúcia I é grosso, pesado e ainda um pouco frouxo. Quando a Irmã Lúcia II sorri, o seu lábio inferior é fino e tenso.

• A covinha e as rugas da Irmã Lúcia reaparecem neste sorriso. Mas faltam completamente nas faces macias da Irmã Lúcia II.

• O nariz da Irmã Lúcia II tem narinas marcadas que não aparecem no nariz da Irmã Lúcia I.

• A ponta redonda do nariz da Irmã Lúcia II estende-se para baixo. Mas a ponta angular do nariz da Irmã Lúcia I estende-se para cima.

• Os dentes da Irmã Lúcia I são claramente diferentes, mas como muitos leitores apontaram a possibilidade de as dentaduras explicarem estas diferenças, discutirei isto abaixo no conjunto 4 de fotografias.

More chin differences between the two Sister Lucy's
• A face inferior da Irmã Lúcia I (foto 3c) tem forma de lua, estreitando-se na parte inferior, com o queixo forte afundado no pescoço. A base de seu rosto é oval. Mas o formato da face inferior da Irmã Lúcia II é quadrado, com o seu longo queixo estendido para fora.

4. Os dentes da Irmã Lúcia

As objeções levantadas pelos leitores sobre os dentes maus da Irmã Lúcia I (foto 3, acima) e os dentes flagrantemente diferentes da Irmã Lúcia II podem ser resumidas em dois argumentos como se segue:

Primeiro argumento: a Irmã Lúcia I tem dentes longos e ruins. Isso a tornaria uma candidata a dentaduras. Agora, as dentaduras podem alterar a estrutura da boca. Portanto, todas as alterações em seu rosto podem ser explicadas pela extração de todos os dentes e pelo uso de próteses dentárias.

Segundo argumento: nas fotografias da Irmã Lúcia II, ela parece estar usando um conjunto de dentaduras, embora sejam dentes pequenos. Portanto, a conclusão do primeiro argumento é confirmada.

Relativamente ao primeiro argumento, concordo com a sua primeira premissa, ou seja, a Irmã Lúcia I tinha dentes ruins e era candidata à dentadura.

Mas a sua segunda premissa – as dentaduras alteram a estrutura do rosto de uma pessoa – é discutível. Observei muitas fotos de antes e depois de pessoas que usaram próteses totais para reconstrução da boca e não notei nenhuma mudança estrutural significativa no sorriso ou no rosto. Pelo que li, apenas dentaduras baratas e mal construídas apresentam dentes curtos e muita gengiva.

No entanto, é difícil imaginar que o prestigiado Carmelo de Coimbra, para onde a Irmã Lúcia I foi transferida com os seus dentes ruins, contratasse um dentista incompetente para mudar os dentes de uma pessoa tão importante para o mundo católico como a Irmã Lúcia. É muito mais provável que o dentista fosse bom, as próteses de boa qualidade e que não tivessem mudado significativamente o seu sorriso ou rosto.

Quanto à conclusão – todas as diferenças que vemos nas duas coleções de fotos seriam explicadas pelas dentaduras – discordo claramente dela. Como os dentes falsos podem mudar o formato do nariz, das sobrancelhas ou do osso do queixo? Somente uma cirurgia plástica completa poderia explicar tais diferenças.

The teeth or dentures of sister lucy II

G012_A04abNew_Teeth2.jpg - 73586 Bytes

Quanto ao segundo argumento, de que a Irmã Lúcia II parece estar usando dentaduras, a sua premissa é fraca. Não é indiscutível que a Irmã Lúcia II usa dentadura. Seguem algumas observações de bom senso apontando para o fato de que seus dentes poderiam ser naturais:

• Ninguém substitui dentes ruins e feios por outro conjunto de dentes ruins e feios. Na verdade, por que um dentista competente construiria dentaduras com uma gengiva feia de ¼” aparecendo em uma pessoa que costuma sorrir? (ver fotos 4c e 4d) Por que ele escolheu dar dentes tão curtos e feios para uma pessoa tão proeminente destinada a desempenhar um papel público? Profissionalmente falando, é altamente improvável que ele tivesse feito tal dentição. Ou seja, é mais provável que dentes feios sugiram dentes naturais e não dentaduras.

• Além disso, como as dentaduras são artificiais, nunca mudam a sua aparência. Mas por vezes as gengivas da Irmã Lúcia II parecem inflamadas, cobrindo um dente (ver seta na foto 4a), como salientou um leitor; às vezes suas gengivas parecem retrair-se fazendo com que alguns dentes pareçam mais longos como na foto 4b.

• Portanto, em vez de dentaduras, poderíamos muito bem estar olhando para os dentes naturais da Irmã Lúcia II.

Portanto, nem a premissa nem a conclusão do segundo argumento são seguras. Se a Irmã Lúcia II usa dentaduras é uma questão aberta à discussão, no que diz respeito à observação de fotografias.

E se estes são os dentes naturais da Irmã Lúcia II, então são claramente diferentes dos dentes naturais da Irmã Lúcia I. Nesse caso, como pode isto ser explicado, exceto que estamos olhando para duas pessoas diferentes?

5. As duas Irmãs Lúcias numa atitude séria

The serious expressions of the two Sister Lucy's

Não é difícil encontrar uma expressão séria entre as fotografias da Irmã Lúcia antes de 1950. Quando criança, a sua expressão era séria e o ar de gravidade aprofundou-se com a idade. Em quase todas as fotos ela é solene e grave, com uma expressão sombria e taciturna. Na foto 5 (cerca de 1946), em resposta a um pedido, a Irmã Lúcia tentava reproduzir a aparência de Nossa Senhora de Fátima quando apareceu.

Não é tão fácil encontrar uma fotografia da Irmã Lúcia II com uma expressão séria. Mesmo quando não está a sorrir, o seu rosto carece do tom moreno e do olhar taciturno da Irmã Lúcia I. A foto 5 da Irmã Lúcia II, na qual ela parece séria, é da capa da edição de 2004 de Fátima nas Próprias Palavras de Lúcia.

seriousness in the eyes of the two Sister Lucy's

Foto 5a realça as típicas sobrancelhas pesadas e taciturnas da Irmã Lúcia I, que quase se encontram no centro do seu rosto quando ela demonstra preocupação. Uma espécie de sulco aparece sobre as sobrancelhas, enfatizando seu peso. Nada disto é visto na Irmã Lúcia II.

• O ligeiro estrabismo divergente pode novamente ser notado nos olhos da Irmã Lúcia I. Pelo contrário, um forte estrabismo convergente é aparente nos olhos da Irmã Lúcia II.

Seriousness in the mouth of the two Sister Lucy's

• Na foto 5b, os lábios da Irmã Lúcia I estão bem definidos e fechados numa linha ondulante. Ainda assim, lábios amplos são aparentes. O formato da boca da Irmã Lúcia II, no entanto, aponta para baixo como sempre, o lábio superior formando um U invertido. Seus lábios finos e apertados normalmente não cobrem os dentes.

• As duas rugas nas bochechas da Irmã Lúcia I, que se estendem para além da sua boca, formam duas linhas muito retas. Mas as rugas das bochechas da Irmã Lúcia II formam arcos.

• Sob o lábio inferior da Irmã Lúcia I há uma área sombreada côncava. Nele podem ser notados os contornos do músculo no meio do queixo. Contudo, não há espaço côncavo sob o lábio inferior da Irmã Lúcia II, nem saliências de qualquer tipo no queixo, embora se possa esperar que este tipo de defeito se intensifique em vez de desaparecer com a idade.

• A Irmã Lúcia II parece ter perdido as feições fortes e rudes de camponesa e a pele da Irmã Lúcia I e adquirido um tom de pele muito mais claro, indicando-me uma pessoa de uma origem social diferente.

• Admitindo esta mudança de tom de pele, alguns leitores argumentaram que ela poderia ser explicada pela idade, que deixa a pele mais flácida e clara. Portanto, argumentaram, isso daria a impressão de ser uma pessoa de nacionalidade ou nível social diferente.

Faces of peasant women from around Fatima, portugal
Talvez isto possa acontecer por vezes, mas no caso da Irmã Lúcia I, a mudança radical da cor da pele que se pode observar nas fotos não parece provável. À direita está um close de duas idosas portuguesas que aparecem na famosa foto do milagre do sol. São camponesas como Lúcia, e muito provavelmente da mesma região, pois vieram testemunhar o milagre que as crianças disseram que aconteceria. Parecem ser um bom exemplo do que normalmente acontece com os camponeses daquela região quando envelhecem. Seus rostos permanecem rudes e mantêm suas feições camponesas.

Além disso, a mãe de Lucia, à direita das idosas, que provavelmente está na casa dos 50 anos, não apresenta tendência a ter um tom de pele diferente.

6. O espaço acima do lábio

Three difference images of Sister Lucy I


Desde criança que a Irmã Lúcia I tinha um grande espaço entre a base do nariz e a ponta do lábio superior (fotos 6a, 7a, 8a).

Neste espaço notamos também um sulco vertical definido, o filtro, no centro.

Three different images of Sister Lucy II


Contudo, o espaço entre a base do nariz e o lábio superior na Irmã Lúcia II parece muito mais curto e não há nenhum sulco visível acima do lábio.

7. Os gestos e o espírito

Os dois últimos conjuntos de imagens apresentam seis fotos cada da Irmã Lúcia I e da Irmã Lúcia II em várias poses. A maioria das fotos da Irmã Lúcia I datam de 1946. As fotos da Irmã Lúcia II são da sua visita a Fátima em Maio de 2000.

Six photographs of Sister Lucy I
A Irmã Lúcia I aparece solene, serena e reservada neste primeiro conjunto de fotos (9 a 14). Ela sempre fica de pé de maneira muito controlada, as mãos em um gesto discreto. Ela parece ser uma pessoa desacostumada a ser fotografada, um pouco estranha e desconfortável com isso. Essa observação é confirmada por Walsh, que também comentou sua timidez.

Pelas suas posturas, gestos e expressão, é fácil acreditar que ela é a pessoa que viu Nossa Senhora e compreendeu a gravidade da mensagem e o papel que nela deveria desempenhar. Sua expressão também combina com uma pessoa que viu o Inferno como viu em 13 de julho de 1917.

Ela manteve esse mesmo estado de alma pelo menos até 26 de dezembro de 1957, quando Pe. Augustin Fuentes entrevistou-a. Pe. Fuentes era o arquivista oficial de Fátima na altura e confidente da Irmã Lúcia. Nessa entrevista, ele confirmou que ela parecia bastante séria e “muito triste.”

Ele disse que ela expressou grande preocupação pelo fato de “ninguém – nem os bons nem os maus – estar prestando atenção à mensagem da Santa Virgem.” Ela também estava muito preocupada com a revelação do Terceiro Segredo, e sublinhou mais uma vez que um grande castigo viria para o mundo, onde as nações desapareceriam, se a humanidade permanecesse alheia à mensagem de Nossa Senhora e a Rússia não se convertesse. O que estava por vir, alertou ela, era uma batalha decisiva entre o Diabo e a Santíssima Virgem, onde as almas dos fiéis seriam abandonadas pelas autoridades religiosas.

Ela lhe disse, "Padre, não devemos esperar que um apelo ao mundo venha de Roma por parte do Santo Padre, para fazer penitência. Nem devemos esperar que o chamado à penitência venha de nossos Bispos em nossa diocese, nem das congregações religiosas" (grifo nosso). Cada pessoa teria que salvar a própria alma, contando com o Rosário e a devoção ao Imaculado Coração de Maria. Ela também estava preocupada porque o Santo Padre e o Bispo de Fátima, os únicos autorizados a conhecer o Segredo, “optaram por não o conhecer para não serem influenciados por ele.” [para o texto completo da entrevista, clique aqui.]

Essas preocupações mais graves refletiram-se em sua expressão e comportamento geral.

Six photographs of Sister Lucy II
Contudo, no conjunto de fotos da Irmã Lúcia II fotos (9 a 14), vemos uma pessoa com um estado de espírito diferente. Ela está sempre sorrindo, à vontade em público e relaxada em suas posturas e gestos.

Ela perdeu a timidez natural típica da Irmã Lúcia I; tornou-se não só destemida, mas também completamente confortável e integrada em ambientes externos à sua vida contemplativa. Nas fotos (13 e 14), um amigo a abraça, gesto protetor que ela aceita sem reservas.

Num tête-à-tête com João Paulo II (foto 11), ela se inclina para a frente, com o rosto sorridente e jovial. Ela não parece mais ansiosa com o futuro, com sua missão, com um castigo que se aproxima, com a corrupção das almas consagradas ou com muitas outras preocupações que havia expressado antes. Ela parece otimista e contente.

8. Aceitação de uma doutrina diferente

Sister Lucy receives communion
Como salientou um leitor, a maior dificuldade de todo este problema é que a Irmã Lúcia disse uma coisa até à década de 1960 e depois mudou a sua maneira de pensar anos mais tarde. Qual poderia ser a razão para isso?

Se Nosso Senhor e Nossa Senhora continuaram a aparecer-lhe, porque é que ela nada disse sobre o Vaticano II e as chamadas reformas que dele surgiram, como a Missa Novus Ordo outras novidades litúrgicas e a perda de vocações religiosas? Pelo contrário, a Irmã Lúcia II parece completamente adaptada a estas novidades; por exemplo, nas fotos à direita, ela está recebendo a Comunhão em pé (acima) e novamente em 13 de maio de 2000 (abaixo).

Se ela expressou uma preocupação tão séria sobre a importância da revelação do Terceiro Segredo em 1960, porque é que se manteve em silêncio sobre isso durante os 40 anos seguintes? Contrariando o que tinha afirmado anteriormente, como poderia confirmar o suposto segredo revelado pelo Vaticano em 2000, juntamente com uma “interpretação oficial” do Cardeal Ratzinger e do Arcebispo Tarcisio Bertone que então declararam encerrado o episódio de Fátima, “uma parte do passado"?

Estas, e muitas outras questões, poderiam ser explicadas pelo fato de ter havido uma Irmã Lúcia diferente apresentada ao público depois de 1960.

Apontei as diferenças não só entre os rostos da Irmã Lúcia I e da Irmã Lúcia II, mas também em seus espíritos e atitudes. Apresento-os aos meus leitores com a honesta preocupação de expor a verdade para que os católicos possam julgar se estão sendo enganados ou não.



burbtn.gif - 43 Bytes


Nota de rodapé 1: em 15 de Julho de 1946, William Thomas Walsh encontrou-se com a Irmã Lúcia numa entrevista que durou três horas. No seu livro Nossa Senhora de Fátima, ele fez estas duas descrições da irmã Doroteia:
“[Os dentes de Lúcia] eram grandes, salientes e irregulares, fazendo com que o lábio superior se projetasse e o pesado inferior caísse, enquanto a ponta do nariz arrebitado ficava mais levantada do que nunca. Às vezes, seu rosto moreno sugeria uma natureza que poderia ser taciturna, teimosa e desafiadora, se não perversa. Mas a aparência enganava, pois sob o estímulo de qualquer emoção, os olhos castanhos claros podiam brilhar ou cintilar, e as pequenas covinhas que marcavam suas bochechas quando ela sorria contribuíam para uma expressão bastante encantadora." (p. 11)

"Ela parecia desconfortável no início, e provavelmente ficou, pois ela não gosta muito de tais entrevistas e só se submete a elas quando é ordenada a fazê-lo. Ela torceu as mãos nervosamente. Seus olhos castanhos claros pareciam bastante cautelosos e hostis. Não havia muita convicção na voz alta e tímida. Alguns momentos depois quase esqueci essa primeira impressão. Ela começou a se sentir mais à vontade. Ela riu prontamente; e quando ela sorria, uma pequena covinha aparecia em cada bochecha. A voz agora soava natural e sincera. Havia inteligência naquele rosto também, e charme. Era impossível não gostar dela e confiar nela.” (p. 218)
Compartilhe

Blason de Charlemagne
Siga-nos



Postado em 5 de junho de 2024

burbtn.gif - 43 Bytes


Tópicos Relacionados de Interesse


burbtn.gif - 43 Bytes   The Two Sister Lucy's

burbtn.gif - 43 Bytes   Wildfire Spreading over Sister Lucy's Photos

burbtn.gif - 43 Bytes   A Mislabled Photo - You are Conspiracy Maniacs

burbtn.gif - 43 Bytes   The Controversy Grows on the Two Sister Lucy's

burbtn.gif - 43 Bytes   Forebodings about the Death of Sister Lucy

burbtn.gif - 43 Bytes   The Progressivist Challenge to Fatima

burbtn.gif - 43 Bytes   Tears, a Miraculous Warning

burbtn.gif - 43 Bytes   Nossa Senhora do Bom Sucesso e Nossa Senhora de Fátima

burbtn.gif - 43 Bytes   The Myth of a Converted Russia

burbtn.gif - 43 Bytes   Confirmation of a Great crisis

burbtn.gif - 43 Bytes


Tópicos Relacionados de Interesse




Fita ou CD

Revelações Proféticas de Fátima e Quito





Livro

Nossa Senhora do Bom Sucesso: Profecias para os Nossos Tempos




Livro

Nas águas turvas
do Vaticano III






Fátima | TradicionalismoTemas quentes | InícioLivros | CDsProcurar | Contacte-nos | Doar

Tradition in Action
© 2018-   Tradition in Action do Brasil    Todos os Direitos Reservados